Quando se desiste!

Conceptual and Fairy Tale Portrait Photography by Ivan Bliznetsov

Hoje escolhe-se o que é aparentemente mais fácil e vira-se as costas, por norma aos que nos poderiam acrescentar muito mais do que temos, mas que viriam balançar todas as estruturas e fazer repensar escolhas!

Ninguém quer ter trabalho, não com o amor. O instantâneo está na moda e o descartável também. Hoje queremos muito, mas amanhã já nos enjoa. O tempo é o mesmo, o relógio não foi ampliado, nem encolheu, o que mudou foi a forma como o passámos a gerir, na minha opinião mal, não permitindo que nos sobre o essencial.

"Desistir não é opção", não para mim, porque não começo o que não possa terminar, mas por vezes chega quem me interrompe o percurso e me diz que NÃO, que não quer, que não sabe o que fazer com a sua vidinha já pré-estabelecida, quem não deveria ter arriscado aproximar-se, se não sabia o que fazer comigo. Não desisto de mim, daquilo em que acredito, das pessoas de quem gosto, ou dos meus sonhos, porque chegar ao que sou hoje deu trabalho, custou a entender, foi um percurso para a frente e voltar atrás, segurando-me a mim mesma, não me faz qualquer sentido.

Quando desistimos do que tanto nos custou a conquistar, estamos, inevitavelmente, a desistir de nós e não pode haver nada mais solitário, nem que nos deixe com mais dúvidas. Felizmente não somos todos iguais, e por vezes temos bem perto quem nunca se tenha estruturado como pessoa, quem apenas deambule pela vida, fazendo as mesmas coisas, rindo das mesmas piadas, ouvindo as mesmas músicas e desejando, ardentemente, que tudo se mantenha no mesmo lugar, até porque o sol nasce sempre no mesmo quadrante...








0 Comentários