A minha chuva!

by - abril 10, 2016

Bilmediğim ve ne yapacağı belli olmayan bir duyguyla hırpalanıyorum boyuna,bize ağır gelen kendimiziz çünkü.:


A minha chuva, porque ela não cai num outro corpo qualquer, como cai no meu, lava-me de cada vez que me deixa ensopada de uma água que não molha apenas. A minha chuva recorda-me, até pelo frio com que me estremece cada pedaço de pele, que estou tão vulnerável quanto ela decida deixar-me.


Águas que nos limpam de mágoas e de gente que a gente não reconhece. Águas que enchem rios que correm bem mais rápidos, para lugares que nem sempre serão aqueles onde queríamos estar. Águas de sabor doce, salgado, e sem qualquer sabor. Águas que nascem em lugares inóspitos, mas aos quais chegamos, bastando que a sede o exija.

Gosto de saber que acima de mim há bem mais do que tenho aqui, quando julgo estar apenas eu, quando sinto que o meu desejo de mais não pode ser concretizado. Gosto de tudo o que a chuva renova, mesmo quando cai fora de época, porque quando nada mais restar, vou esperar que reste o que nos "alimenta" verdadeiramente.

Já fui menina e já dancei à chuva, em águas bem quentes, que me recordavam da minha pequenez, mas que me faziam ser ainda mais inocente, deixando para o futuro o que ele agora me trouxe. Seria capaz de o voltar a fazer, mesmo que me arrefecesse o corpo. Seria capaz de voltar a dançar descalça, num chão rugoso, mas bem próximo da humanidade de que sou feita. Vou certamente deixar que me toque um dia, sem que eu queira fugir, e para que me alimente da certeza que amanhã virá outra vez, contrariando o que muitos se impedem de ser.

A minha chuva será tão minha quantos os pingos que me tocam apenas a mim, apenas no meu corpo, e apenas no sorriso que lhe sei devolver!

You May Also Like

0 comentários