O que somos!





O que somos passa inevitavelmente para quem nos consegue sentir, para cada uma das pessoas que se tornam certas e mesmo que não sejam muitas, existirá alguma, algures, que quererá o mesmo e conseguirá sentir o sabor a que sabemos.

Vamo-nos construindo por vezes sem muitas instruções ou regras, mas quase sempre a servir um propósito, esperando pela vez em que a nossa vez chegará. Vamos, passo a passo, mudando o que começámos e incluindo mais um pouco do que nos levará um dia até ao lugar que nos pertence verdadeiramente.

Quando o amor nos atinge, quando a outra metade de alguém parece encaixar-se de forma quase perfeita, porque não deveremos em nenhum momento esperar apenas pela perfeição, TUDO passa a fazer sentido e o que acreditávamos ser nosso, passa mesmo a sê-lo.

Nunca ninguém nos prepara para o turbilhão de dúvidas e de certezas que nos assolam quando olhamos, pela primeira vez, para quem parece ter finalmente chegado para nós. Nunca nos dizem que amar traz imensos riscos, medos infundados e uns quantos com todo o fundamento, porque falhar será sempre mais veloz e imediato do que manter o que nem sempre se conquistou rapidamente. Nunca, em nenhum momento, nos falam das intermináveis horas sem sono, mesmo que a cair de um cansaço que quase nos mata. Nunca nos ensinam a amar apenas pelo que somos e temos, não procurando desesperadamente pelo que nem sequer sabemos poder atingir.

O que somos deveria ser bem mais importante do que tudo o resto, porque foi sendo que alguém nos viu, olhou e sentiu tão dentro, que tirar-nos passou a ser tarefa impossível. O que somos fará sentido sempre que o soubermos ser juntos com quem nos prove que até os sucessos terão um novo sabor se forem partilhados. O que somos, quando já nos sabemos ler e aceitar, é a escolha certa de quem nos escolheu, mesmo que não soubesse porque o faria. O que somos, na maioria das vezes, é apenas a tentativa de não nos falharmos, gorando qualquer possibilidade de uma felicidade eterna. O que somos, eu e tu, é TUDO o que conseguirmos sonhar!

0 Comentários