As primeiras palavras...



Começar com as primeiras palavras do que passará a ser uma história para ficar, deixa-me com uma sensação de poder e com o bichinho do incerto e do desconhecido. Não sei o que vai acontecer e até onde me vou levar. Não sei o rumo, mesmo que o tenha imaginado e sentido, porque na verdade, do nada, tudo pode passar a ser diferente. Não sei de onde me vem a inspiração, nem o que me insufla as veias criativas, mas ser capaz de me pôr em palavras é um mistério que pretendo manter.

Se ao menos o sonho tivesse forma de galgar as paredes invisíveis, permitindo-me viver em pleno o que para mim é mais do que real. Se ao menos a minha própria história pudesse ser escrita na íntegra por mim à velocidade dum romance. Se ao menos já tivesse como apenas usar e abusar de cada uma das palavras de que me alimento, sem prazos, nem paragens desnecessárias. Se ao menos a minha estabilidade já estivesse para lá da emocional...

Não sei exactamente quem sou quando me desvendo nas teclas e deixo que os sons que me martelam a cabeça saiam livres, com uma vida que nem sempre a minha comporta. Não sei o que me move ou alimenta, mas sei que só me sossego quando me partilho.

Começar com as primeiras palavras do que ficará para sempre, imortaliza-me!

0 Comentários