Views

Archive

Etiquetas

Facebook

Avançar para o conteúdo principal

Estás Aqui!




Estava ainda a tempo para a reunião, mas os minutos teimavam em correr à mesma velocidade que eu. Deslocara-me a Lisboa de comboio e apanhara o metro onde a Rute me esperava à saída da estação do Rato. Odeio não cumprir horários e assim que me sentei no carro, respirei fundo e relaxei por segundos olhando pela janela tantas outras pessoas de passos apressados, estranhos, corpos sem rosto!

- Podes ficar tranquila que ainda teremos tempo para um café. Estou ansiosa por te ter como colega de trabalho e de casa, isso é que vai ser farrar e tagarelar até altas horas da noite.

Largou-me uma gargalhada sonora e fez-me sorrir perante os momentos que antecipava de puro prazer e partilha. Já somos amigas faz mais de 10 anos e partilhámos sempre tudo nas nossas vidas. Quando o Rui partiu, após as minhas recusas repetidas em o seguir para Londres, foi a Rute que me deu colo e me segurou as mãos enquanto chorava de arrependimento. Deveria tê-lo seguido até aos confins do mundo, mas julguei-me forte e determinada o suficiente para trilhar o meu percurso sozinha, no entanto bastou uma semana para que percebesse que nada voltaria a ser como antes e que tudo deixara de fazer sentido sem a sua presença. Se arrependimento matasse...

Fazemos contas, pesamos medimos, mas esquecemos sempre de ouvir o coração, é na verdade ele quem comanda tudo e se não estiver satisfeito, corrói-nos, mata-nos, seca-nos!

- PÁRA RUTE!!

Gritei tão alto que até eu me assustei. Quase que a fiz provocar um acidente perante o tom desesperado da minha voz. Não me lembro sequer de ter aberto a porta do carro, mas sei que o reconheci na multidão que passava sem rosto. Reconheci-lhe o caminhar, os ombros largos, os cabelos loiros como o sol. Tudo nele era diferente e familiar. Era o homem que já tivera e que sabia hoje amar mais do que a mim mesma.

- RUIIIIII!!

Não sei se algum som chegou sequer a sair da minha boca, mas ele voltou-se, olhou-me, viu-me e um segundo depois estava nos seus braços que me apertaram até me deixar sem ar.

- Desculpa, desculpa meu amor, perdoa-me por favor. Não sei viver sem ti, não quero, preciso de ti, a vida assim...

Calou-me esmagando-me os lábios com os seus. O meu corpo estremeceu e senti as pernas falharem-me. Levantou-me no colo e sorriu-me compreensivo. Ele sabia, sentia e estava aqui, jamais lhe voltaria a recusar-me,  precisava do ar que respirava para que fosse também o meu. Não queria ser mulher pela metade, queria-o a ele, todo, sempre!

Comentários