Avançar para o conteúdo principal

Também já tinha tão pouco!

abstract, brick, bricks
Feelme/Também já tinha tão pouco!Tema:Sentimentos!

Julguei que fosse mais difícil. Julguei que te fosse sentir a falta e que não conseguisse funcionar por já não te ter, mas a verdade é que também já tinha tão pouco!

Tu só chegavas aos pedaços, da forma que te dava jeito, quando te dava jeito. Eu era a que esperava, paciente, para que te anunciasses, para que me fizesses ter a certeza que estavas do meu lado, mesmo que longe. Tu só chegavas quando precisavas muito de mim. Tu só chegavas se o resto do teu mundo já estivesse resolvido e depois, depois então vinha eu.

Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque na verdade nunca estiveste, não comigo e não por inteiro. Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque nunca me fizeste sentir a única, a que precisavas e a que te bastaria. Não posso sentir assim tanto a tua falta, porque provavelmente tudo fizeste para que nunca sentisse.

Quando paramos e quando olhamos para trás, para cada segundo de todos os minutos que tivemos que esperar, tudo se torna tão claro e tão evidente, que nem nos atrevemos a sentir falta. Não do que não era. Não do que não tínhamos. Não de quem nunca tinha sido.

Não te imaginei, tive-te, senti-te, toquei-te e fui tua, mas esfumaste-te demasiado rápido e sem qualquer esforço, porque a verdade é que não se perde quem nunca se teve. Não se sente a falta de quem apenas nos sussurrou, de quem nunca sequer prometeu, e de quem até ao beijar deixou pouco sabor. Foste sempre tão pouco. Fugiste sempre, com tanta mestria. Procuraste, sempre estar tão ausente, que só me poderias ter deixado com o que tenho agora, com NADA.

Não arrisquei, achar que jogaste o tempo todo, que me mentiste, o tempo todo, que me usaste, o tempo todo e que nunca me quiseste como te queria eu, o tempo todo. Não o arrisquei para não ter que pensar em ti e no que cheguei a desejar que fosses. Escolhi deixar-te ir, sem te sentir muito a falta, e aceitando que teria que ser assim, porque até já o fora antes, e porque também já tinha tão pouco...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quando é que reconhecemos quem nos ama?

Os começos fazem-se pelo princípio, claro, mas nem sempre iniciamos da mesma maneira e com a mesma intensidade. A necessidade de encontrarmos no outro o mesmo amor que sentimos, por vezes deixa-nos a fantasiar bem mais do que a viver e as quedas poderão ser fatais. Os sinais estão sempre lá. A forma como sentimos quem nos sente, é clara e apenas nós escolhemos a versão melhorada da coisa. Quem nos quer demonstra-o, sempre e em todos os momentos, sobretudo nos começos. Quem não sabe o que fazer connosco, escuda-se a mais emoções e retira-se, nem sempre de forma airosa, para que os seus danos não sejam maiores. Nós, os sonhadores de serviço, escolhemos no entanto fingir que não estamos apenas a ler bem as legendas e espetamo-nos de cara no chão, deixando cicatrizes bem visíveis e duradouras. Quando é que reconhecemos quem nos ama ? Quando nada carrega dúvidas, mesmo que as relações sejam envoltas em muitas perguntas, avanços e recuos. Quando as emoções têm a mesma densidad

Escolhi escolher-me!

Não posso nem devo , seguir por um caminho que não é o meu, do qual nada sei, nem conheço, desejando mudar o que não me cabe a mim, não faz de todo o meu género, nem será o meu dever na terra! Já sei de mim, de que forma acerto o meu percurso, escolhendo-o, ou mudando-o, mas segurando o leme, para que o resultado me caiba a mim e apenas a mim. Assim sendo, entendo que todos os outros terão o mesmo poder de decisão, e deverão, supostamente, ter o discernimento para chegarem onde terão o direito de incluir os outros e de recomeçar. Esta é a teoria! Já tenho as mãos demasiado cheias comigo mesma, com tudo aquilo a que me propus e é por isso que me sobra pouquíssima margem de manobra para outras rotas. Cada um que se chegue à frente e vá até onde já me encontro, se quiser e tiver talento. Não me atrapalhem se não puderem ajudar, "saiam de cima", como diz o brasileiro, porque se não saírem eu empurro. Não estou com falta de paciência, é falta de tempo mesmo, é a nec

Estou aqui para ti!

Estou aqui para te recordar que estás exactamente no lugar que te cabe e que se mais desejares, terás apenas que te sentir num outro qualquer. Estou aqui para te dizer que nunca ficarás sozinho se souberes como impedir que as nuvens se instalem, encobrindo quem já se fez anunciar. Estou aqui para te oferecer as palavras que deverás replicar aos que também delas precisam, mesmo que não o peçam. Estou aqui para te dizer que o que temos dentro nos define e que se te esconderes deixarás de passar o melhor de ti. Estou aqui cheia de um amor que sei de que forma dividir e que espero ver multiplicado pela vontade que sentes de também ser amado. Estou aqui mais sábia do que ontem, mas ciente de que continuar a aprender me devolverá um amanhã mais seguro. Estou aqui sempre que precisares e apenas preciso que reconheças as tuas fraquezas para que as fortaleças. Estou aqui , e se estiveres verdadeiramente aí, estaremos ambos onde nos fazemos falta.