Roselaine Cruz Poetisa: Delicadezas


De manhã quando partires, acorda-me de mansinho e deixa-me saber. Fala-me ao ouvido e conta-me o que vais fazer. Beija-me os olhos que nunca se cansam de olhar para os teus, e sopra-me nos lábios o sabor que permanecerá comigo até que voltes. De manhã, logo que o dia nasça, acorda-me para que te volte a amar, porque mesmo que a noite tenha sido cheio de nós, precisamos de nos lembrar que queremos ficar.

O amor não é cego, ele vê para além de nós e em primeiro lugar. O amor tem com ele tudo o que nos faz falta, mas nem sempre o sabemos ouvir e entender. O amor é isto que sinto por ti, a calma que me trazes ao coração e a urgência de o ter a bater por ti. O amor é o que me faz grande e capaz de conseguir o que nem sei explicar. O amor é que me mostra a força de que sou feita e sei que vou precisar dela, toda, para te continuar a amar.

De manhã, antes de partires, volta a olhar para mim, porque vou estar a sorrir como sempre faço, oferecendo-te muito mais do que se explica, mas que sentimos ambos. De manhã, ouve a minha voz, a que te dirá as palavras que te manterão ligado a mim até que voltes. De manhã sei sempre por que razão te amo assim!

0 Comentários