Certas lembranças São suficientes para fazer a alma sorrir. Para sempre...

Os começos fazem-se pelo princípio, claro, mas nem sempre iniciamos da mesma maneira e com a mesma intensidade. A necessidade de encontrarmos no outro o mesmo amor que sentimos, por vezes deixa-nos a fantasiar bem mais do que a viver e as quedas poderão ser fatais.

Os sinais estão sempre lá. A forma como sentimos quem nos sente, é clara e apenas nós escolhemos a versão melhorada da coisa. Quem nos quer demonstra-o, sempre e em todos os momentos, sobretudo nos começos. Quem não sabe o que fazer connosco, escuda-se a mais emoções e retira-se, nem sempre de forma airosa, para que os seus danos não sejam maiores. Nós, os sonhadores de serviço, escolhemos no entanto fingir que não estamos apenas a ler bem as legendas e espetamo-nos de cara no chão, deixando cicatrizes bem visíveis e duradouras.

Quando é que reconhecemos quem nos ama? Quando nada carrega dúvidas, mesmo que as relações sejam envoltas em muitas perguntas, avanços e recuos. Quando as emoções têm a mesma densidade. Quando as palavras nunca são suficientes para que nos digam o quanto somos importantes, mas as acções acompanham cada uma. Quando o olhar não foge e os abraços se prolongam. Quando os "ses" são substituídos pelos "sim"; "claro"; "tu" . Quando dizer amo-te não é arrastado, nem difícil, nem embaraçante. Reconhecemos quem nos ama quando não precisamos de perguntar, frequentemente, se nos amam. Reconhecemos quem nos ama de cada vez que sentimos que ninguém se poderia encaixar na sua vontade de ter alguém, para além de nós. Reconhecemos quem nos ama quando o futuro é precedido dum presente onde estamos, ambos, verdadeiramente presentes. Reconhecemos quem nos ama quando o amor é fácil, natural e óbvio, tudo o resto são apenas desejos e nem sempre podem ser satisfeitos!


0 Comentários