"Ghost of Melancholia" - Limited special edition of 10


Não precisava de te ter perdido para saber ao que sabem as perdas. Não merecia a solidão a que me vetaste, não depois de já não saber o que significava estar sozinha. Não queria, nunca quis, que a tua presença me fosse negada por outros que não tu mesmo. Arrancaram-me as partes que me importavam e tudo o resto deixou de me importar quando te foste.

Pareço estar a viver num filme e ele teima em começar e terminar quando muito bem entende, sem que tenha controlo sobre o final. A montanha russa que me foi imposta é bem mais assustadora do que qualquer outra que já tivesse experimentado e não me dá qualquer trégua, a velocidade arrasta o meu coração e as subidas antecipam descidas que me arrancam gritos silenciosos.

Ninguém sabe de mim, do que sinto e o que deixei de carregar quando me foste levado. Ninguém me vê como sou e já sou tão pouco desde que te perdi. Ninguém parece falar do que me interessa e são tão frágeis as palavras, que escolho nada dizer para que as minhas não saiam amargas. Ninguém parece saber como me levar daqui e por isso vou ficando, sem ti...

1 Comentários

  1. Gostei muito do post e revi nalgumas partes.
    É difícil. Para mim a escrita ajuda um pouco a deixar para trás algumas coisas más.

    Continuação de um bom trabalho e um bom fim-de-semana.

    Cumprimentos Os Piruças

    ResponderEliminar