Fazemos sempre falta a alguém, mas na maioria das vezes não fazemos falta alguma. Precisamos de ter noção da nossa finitude e do "uso" que nos pretendem dar. Se estivermos conscientes de quem nos rodeia, pessoal ou profissionalmente, os tombos emocionais serão menores e bem mais fáceis de contornar. Temos sempre algo que importa a alguém, mas certamente que momentos haverá em que não teremos coisa alguma, nem sequer para nós, porque nos consumimos com as necessidades dos outros. Porque perdemos precioso tempo a entender o que ninguém consegue. Porque temos as expectativas demasiado altas. Porque não acreditamos o bastante em nós.
Fazemos falta enquanto estamos, mas nunca seremos insubstituíveis. Fazemos falta se já tivermos em nós o que nos completa e sobra para os outros. Faremos falta, grande parte do tempo, se soubermos como dar uns passos atrás e esperar pelo momento no qual precisarão verdadeiramente de nós.

0 Comentários