17.2.20

Fugi, acobardei-me...


Fui-te respondendo para me justificar, falhando cada explicação, porque não aceitaste nenhuma. Parei de te responder com medo de não te conseguir deixar ir, mas igualmente em pânico com a tua desistência. Disse-te tanto, o que me magoava. O que não conseguia explicar. O que parecias ter de sobra e me faltava. As tuas certezas e a forma como me amavas, sendo tão doce, amável e disponível. Fui duro. Fui cobarde e indigno do amor que me tinhas. Fui pequeno e nunca cheguei a dar o que era teu por direito, mesmo sabendo que foste feita para mim. Fui o oposto de tudo o que te prometi.
Já não te respondo às perguntas que certamente sempre farás, mas apenas porque fiquei sem respostas. Fiquei vazio até de mim e perdi-me da única pessoa que nunca me deixaria sem palavras e sem explicações. Já não sei quem sou...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sozinha outra vez!

Sozinha outra vez , naturalmente, sem demasiados embaraços ou sequer dúvidas. Sozinha como terei começado um dia, mas nunca mais só, ...