17.2.20

Lamento mesmo, nem sabes quanto!



Lamento por ti que cresceste sem nunca te teres sentido crescido, porque quem deveria ter estado "lá", em cada etapa, não foi capaz e permitiu-se esquecer que lhe cabias por dever. Lamento, tanto, não te ter valido, porque estava atenta aos meus e porque não me reconhecia o direito. Lamento as tuas dores, que permanecem até hoje, porque não te muniste das ferramentas que te arrancariam tantas almas negras. Lamento que te falte determinação para pontapear os pequenos, os maus e os de alma negra. Lamento que ainda não tenhas recebido o amor que te falta dar, porque repetes o padrão e duvidas de ti. Lamento não estar mais perto, sobretudo emocionalmente, para que me pedisses ajuda e me redimisse, de alguma forma, de não te ter oferecido o que tenho de sobra. Lamento...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sozinha outra vez!

Sozinha outra vez , naturalmente, sem demasiados embaraços ou sequer dúvidas. Sozinha como terei começado um dia, mas nunca mais só, ...