É-me inevitável ser duas!

by - março 31, 2020


É-me inevitável ser duas, em momentos diferentes e até quando pareço estar num mesmo lugar e com as horas a correrem de igual forma!
Sou a que se permite alguma exposição e a que se dá para uns quantos, mas também sou a que se retira totalmente, sendo invariavelmente distante e arredada da vida que não corre para mim. Sou a que escuta, com atenção, quem a procura ter, mas sou igualmente a que apenas escuta umas quantas sílabas, sobre o que não me move e não me faz movimentar. Sou a que tem silêncios que apenas eu entendo, mas porque mais ninguém precisará de saber do que sei. Sou a que carrega dois corações armados, mas com pequenas frestas para que ainda se aloje mais um pouco de amor.
Não tenho forma de ser de outro formato, nem consigo deixar de lado a dualidade que me caracteriza. Não quero ser a metade que serve a alguém, deixando a outra em suspenso, porque uma nunca será a parte inteira.
Sou previsivelmente previsível para quem já me conhece, mas ainda assim um livro que uns quantos lêem ao contrário. Sou assumidamente a dualidade que faz de mim uma equação viável e rapidamente subraio o que não haverá forma de multiplicar. Sou bem mais consistente agora, até quando pareço tranquilamente estranha e sou ainda o resultado de tudo o que fiz por entender, em duas mentes, somadas a dois corações gigantes que se dividem para chegar aos que de "nós" precisam.
É-me inevitável ser duas, não porque o tenha escolhido, mas porque aceitei que apenas assim estarei verdadeiramente pronta.

You May Also Like

0 Comments