Avançar para o conteúdo principal

Planear o futuro começa a parecer uma tarefa impossível!



Planear o futuro começa a parecer uma tarefa impossível e é seguramente um luxo a que muito poucos se podem dar. O futuro quando muito será hoje, daqui por 2 horas e ainda assim arriscamos a que desabe o mundo e a que NADA do que tínhamos como garantido o seja efectivamente. Planear o futuro neste milénio, é uma corrida ao contrário e um sonho quase desmedido. Planear até que se pode, mas mentalmente talvez seja mais seguro, porque colocar os planos em andamento obriga a que todos os planetas se alinhem convenientemente e que nenhuma cratera se abra no que outrora era tão simplesmente um caminho regular. Planear o futuro dos nossos, passa pela capacidade de terem já armazenado muita resiliência, coragem, determinação e resistência à frustração. Planear o "implaneável", mas tendo sempre uns quantos na manga, não vá o universo discordar. Planear para acreditar, mas acreditando que os planos nunca serão estanques e que nunca mais voltaremos a depender apenas de nós!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quando é que reconhecemos quem nos ama?

Os começos fazem-se pelo princípio, claro, mas nem sempre iniciamos da mesma maneira e com a mesma intensidade. A necessidade de encontrarmos no outro o mesmo amor que sentimos, por vezes deixa-nos a fantasiar bem mais do que a viver e as quedas poderão ser fatais. Os sinais estão sempre lá. A forma como sentimos quem nos sente, é clara e apenas nós escolhemos a versão melhorada da coisa. Quem nos quer demonstra-o, sempre e em todos os momentos, sobretudo nos começos. Quem não sabe o que fazer connosco, escuda-se a mais emoções e retira-se, nem sempre de forma airosa, para que os seus danos não sejam maiores. Nós, os sonhadores de serviço, escolhemos no entanto fingir que não estamos apenas a ler bem as legendas e espetamo-nos de cara no chão, deixando cicatrizes bem visíveis e duradouras. Quando é que reconhecemos quem nos ama ? Quando nada carrega dúvidas, mesmo que as relações sejam envoltas em muitas perguntas, avanços e recuos. Quando as emoções têm a mesma densidad

Escolhi escolher-me!

Não posso nem devo , seguir por um caminho que não é o meu, do qual nada sei, nem conheço, desejando mudar o que não me cabe a mim, não faz de todo o meu género, nem será o meu dever na terra! Já sei de mim, de que forma acerto o meu percurso, escolhendo-o, ou mudando-o, mas segurando o leme, para que o resultado me caiba a mim e apenas a mim. Assim sendo, entendo que todos os outros terão o mesmo poder de decisão, e deverão, supostamente, ter o discernimento para chegarem onde terão o direito de incluir os outros e de recomeçar. Esta é a teoria! Já tenho as mãos demasiado cheias comigo mesma, com tudo aquilo a que me propus e é por isso que me sobra pouquíssima margem de manobra para outras rotas. Cada um que se chegue à frente e vá até onde já me encontro, se quiser e tiver talento. Não me atrapalhem se não puderem ajudar, "saiam de cima", como diz o brasileiro, porque se não saírem eu empurro. Não estou com falta de paciência, é falta de tempo mesmo, é a nec

Estou aqui para ti!

Estou aqui para te recordar que estás exactamente no lugar que te cabe e que se mais desejares, terás apenas que te sentir num outro qualquer. Estou aqui para te dizer que nunca ficarás sozinho se souberes como impedir que as nuvens se instalem, encobrindo quem já se fez anunciar. Estou aqui para te oferecer as palavras que deverás replicar aos que também delas precisam, mesmo que não o peçam. Estou aqui para te dizer que o que temos dentro nos define e que se te esconderes deixarás de passar o melhor de ti. Estou aqui cheia de um amor que sei de que forma dividir e que espero ver multiplicado pela vontade que sentes de também ser amado. Estou aqui mais sábia do que ontem, mas ciente de que continuar a aprender me devolverá um amanhã mais seguro. Estou aqui sempre que precisares e apenas preciso que reconheças as tuas fraquezas para que as fortaleças. Estou aqui , e se estiveres verdadeiramente aí, estaremos ambos onde nos fazemos falta.