SELECTED CATEGORYCartas de Amor

31.1.20

A carta que não abri!



Olá a ti,
Estou a responder à carta que não li e nem sequer me atrevo a abrir. Quero acreditar que ainda sei o que me perguntas, talvez porque o tenha feito demasiadas vezes sem qualquer resposta. Preciso de antecipar todas as palavras, escritas em cada linha, seguindo os pensamentos que nos cabiam a ambos. Desejo, mesmo, que me estejas a pedir o que me negaste e a tentar resgatar o que até já era teu. Mas ainda assim sei que não a consigo ler.
Já olhei para o remetente mil vezes. Já engelhei o papel, o mesmo que acabou molhado pelas lágrimas que caíram descontroladas, mas ainda não a abri. Já tentei sentir o teu cheiro, imaginando as vezes que te movimentaste na cadeira, desconfortável e inquieto. Já resisti à tentação de "te" rasgar em mil pedaços.
Ainda assim e para memória futura, quero que saibas que sempre soube de cada razão e que te perdoei. Quero e preciso que entendas que sempre estive muito à frente no nosso caminho e que continuo a recusar atrasar-me. Quero que pares de te desgastar, porque deixou de importar, mesmo que me importe sempre contigo. Quero que finalmente me deixes ir, porque deixámos de ter forma de voltar.
Adeus a ti e a todas as palavras que poderiam ter atenuado a dor imensa que deixaste, não vou ceder, porque se abrir esta porta, entrarás de rompante para me lembrar de tudo o que me esforço por esquecer.
De mim a quem perdeste,
...

9.7.18

É sempre para ti que escrevo!

Cool head


Olá meu amor, bom dia,

Já acordo contigo há algum tempo, sabe-me bem assim porque me permite ter uma outra razão para idealizar os meus dias, que de tão agitados, raramente sobram para mim. Quando coloco os pés no chão, saio do sonho no qual estiveste e a realidade começa, tão premente quanto é tudo o que preciso de tratar. Para que todos tenham o que é suposto, todos os outros, porque eu vou realizando cada actividade o mais naturalmente que consiga, fugindo da necessidade quase mecânica de ir estando e de me ir levando. Sei que dito desta forma parece um existência triste, mas não o é de todo, é apenas solitária, isso cada vez mais. Se puder completar tudo o que antecipei no dia anterior, seguindo uma agenda rigorosa e pesada, porque me obrigo a fazê-lo e porque me organizo, a mim e à vida que escolhi como se de uma empresa se tratasse, sei que resulta. Claro, só pode, o trabalho e as obrigações ficam em primeiro lugar.

Por vezes oiço umas citações fabulosas, do género: "Se não fazes o que gostas, aprende a gostar do que fazes". Valha-me isso, meu Deus, eu gosto de TUDO o que faço e tu sabes. Ponho amor e entrega em TUDO o que completo, diariamente, até à exaustão e olha que é MESMO até à exaustão.

Porque é que me castigo? Quem sabe numa outra vida não nasci chinesa, cheia de regras, de metas bem definidas e sem descansos semanais!

Sabes como é que metade "disto" mudava, não sabes? Tu mesmo me falas, pisas e repisas sobre o assunto. Se estivesses comigo. Se me pudesses sossegar. Se o meu acordar te tivesse ao lado. Se os meus pés tocassem nos teus, primeiro... Fazes-me falta, sinto-te a falta e nada do que escreva ou sinta, poderá alguma vez passar o quanto estás em mim para ficar. Não te quero deixar de respirar acelerado. Não quero que corras para mim (até que queria), mas quero que saibas que tudo o que começo por fazer, a cada início de dia, já te trás dentro.

De mim para ti que me entendes.

A mulher que te adora,
S.A.

20.5.18

De mim terás sempre tudo!

i still write love letters to my hubby and he loves it.  <3


Olá meu amor,

Eu sei que falamos todos os dias. Sei que debitamos milhares de palavras por segundo,  mas ainda assim, nunca nos cansamos de nós, porque que há sempre muito mais por dizer e para saber.

Gosto de escrever para ti e sobre ti. Gosto de me sentir importante na tua vida, de te mudar os dias e os rumos. Gosto deste amor que começou para mim, desta forma, mas que para ti apenas se limitou a crescer. Gosto da nossa parte de dia, aquela em que mais ninguém entra ou faz falta. Gosto de gostar de ti assim.

Dizes-me, quase sempre, que posso ir aprendendo a baixar as defesas e a aceitar que és quem sempre me fez falta. Até que o percebo e tento, com todas as minhas forças, parar de lutar, porque mesmo que sejas real e que digas o que sentes e esperas de mim, a verdade é que existe sempre margem para erros.

De mim, terás sempre tudo meu amor!

É o que me sopras, gritas, apregoas e recordas, todos os dias, para que nunca arrisque duvidar. É, e tem sido, com essa tua capacidade imensa, de me sentir e ver como sou, que acredito estarmos no lugar certo, para durar, para nos acompanharmos quando o corpo e alma precisarem de repousar.

De mim terás sempre tudo, não te cansas de repetir e eu tenho que acreditar, porque continua a fazer sentido e soa a verdadeiro. Foi assim no exacto momento que te reencontrei.

Um beijo, doce da mulher que te ama,

M.A.

28.12.17

Pediste, aqui vai...

Imagem relacionada


Olá a ti que finalmente chegaste,

Prometi que te escreveria algo hoje e que to enviaria por email, já que recusas render-te ao facebook, dizes que não precisas do virtual para te mostrares e muito menos para te sobre valorizares, porque preferes quem és no real, e já agora eu também. Tens um olhar doce e um toque que me toca, mesmo, dentro. A tua determinação assusta-me, porque é igual à minha. Os lugares que conheces e nos quais pretendes viver, são os que quero e onde me visualizo. Consegues falar sem te calares e sem me cansares, tão impressionante que acabamos a rir de nós. É no teu corpo que me encosto, enquanto dançamos as mesmas músicas, as que parecem ter sido feitas para nós. O nosso ritmo permite-nos ritmar a relação que estamos a deixar crescer e a avaliar o que nos importa.

Os meus finais de tarde são agora sempre iguais, vejo-te chegar, de sorriso aberto, com a cabeça que se movimenta para me encontrar. Avisas que estás a chegar e eu espero-te como sei que gostas e te faz sentir importante, porque na verdade o és mesmo. Não importa de que parte do país chegas, já não pergunto, mas nenhum canto parece ser suficientemente longe para to impedir.

- Estás cansado, porque vieste hoje? Eu podia esperar.
- Mas eu não. Se não te vir. Se não te abraçar. Se não beijar essa boca da qual parece escorrer mel, não terei os dias e as noites só me irão ensombrar.

Ainda não ficaste. Ainda não sei como és quando adormeces, mas sei ao que soas mal acordas. Ainda não consegues deixar de ficar triste e sem chão, como dizes, de cada vez que te vais. Apertas-me tão forte, que deixo de respirar por alguns segundos. Olhas-me sempre tão dentro e com tal desespero, que me desnudas a alma.

- O que vai ser de mim agora?

Escolho sorrir, achando que te tranquilizo, porque nem eu o posso saber, não como sei já o que me dás.

- Posso dizer que te adoro?
- Podes tudo o que me saiba bem...

E tem sido assim, tal como descrevo e estou certa que estás a sorrir enquanto lês, confirmando com a cabeça. Penso que não me esqueci de nada. Falta apenas acrescentar que começaste por te anunciar como um dos meus pedidos ao Pai Natal. Já lhe agradeci a generosidade e prometi que o poria ao corrente do que conquistarmos ambos.

Voltando a ti, amanhã cá estarei, à espera que regresses para me assegurares de que não estou a sonhar. Finalmente, percebi o que significa ser a prioridade na vida de alguém.

Um beijo dos meus, cheio de tudo o que ainda terás.

Até já,
Sue


5.12.17

Devemos recordar o amor!

Pequenos detalhes que me ganham, outros menores que me afastam... Adriana Albuquerque


Olá meu amor,

Porque faz sentido que o que teve importância se mantenha na nossa memória, hoje não poderia deixar de me recordar que há um ano atrás fui tua mulher e soube, quando me tocaste, que eras tu e que iria querer que ficasses, mas o que aconteceu de lá até aqui ditou o nosso afastamento, ou porque teria que acontecer, ou porque não soubemos manter o que demorámos a conquistar. Agora já importa muito pouco saber quais foram as razões, já as pisei e repisei e mesmo tendo encontrado algum sentido, percebi que simplesmente desistimos ambos, foi apenas isso.

Por vezes permitimos que a nossa insegurança, e as muitas perguntas que nos inundam a essência se propaguem como uma doença incurável, minando cada célula e fazendo com que sejamos incapazes de apenas parar, respirando fundo e continuando a remar para a frente. Sentimos a vergonha subir por nós, deixando-nos de face vermelha e com receio de que nos julguem pela fraqueza, pelas vidas que toda a nossa vida já carrega e acabamos por fechar todas as portas, uma a uma.

Ainda sinto a tua falta. Ainda quero a tua boca na minha. Ainda sonho com cada toque no corpo que te aceitou e que me ensinou muito sobre mim, mas já sou capaz de me recordar de tudo sem qualquer dor, apenas com um sabor, que mesmo quase a desaparecer, ainda é doce.

Hoje recordei-me do dia, do local e de todos os momentos que nos envolveram quando nos encontrámos e senti o coração a bater forte, sem saber muito bem o que viria depois e percebi que teria que ter sido daquela forma, naquele lugar e contigo. Hoje tenho vontade de mais, de não me parar, de nunca desistir dos começos, importando-me muito pouco com os finais. Hoje já não dependo de ti para ser feliz, sou eu outra vez, mas carrego-te comigo, porque ficaste onde deverias e porque me deste o que precisava, há 365 dias atrás.

Porque acho que devo manter tudo o que me fez crescer e porque nada da minha história precisa de ser reescrita, hoje por alguns momentos, fui tua mulher outra vez.

Até sempre,
M.M.

3.11.17

Carta de amor a quem perdi!

briannadamra.tumblr.com


Olá homem que julguei ser da minha vida,

Não sei como andas, mas acredito que estarás bem, mesmo que sem mim. Já há muito que deixei de questionar as tuas razões, ou de me diminuir, porque não fui menos do que precisavas, fui apenas quem escolheste não manter. Vou sempre incluir-te nos meus pedidos de boa sorte, os mesmos que dirijo a todos quantos me entraram coração dentro e me fizeram recordar o sabor de ser uma mulher desejada. O amor que te tive foi real e a entrega total, como em tudo o que faço na vida, porque se me importa cuido, se não me importa, nem mexo. O que te disse sentir foi sentido e tudo o que viste no meu olhar era-te dirigido. Nunca pensei em querer mais do que tinha contigo, porque já me bastava. O amor que chegou até ti estava carregado de tantas emoções, as que armazenara para quando chegasse quem me estaria reservado, mas parecem ter sido em demasia. Parecem ter-te sufocado, porque o que tinhas para dividir era apenas o que sobraria.

Agora, e sempre que olho de soslaio para trás, já te tenho um sorriso reservado e este será apenas teu, tal como as memórias que criei. Agora, e de cada vez que oiço a voz que reconhecerei sempre, apenas fica o bom e tudo o que me deste quando ainda não subtraias. Agora, mas só agora, sei que nunca poderias ter ficado, estávamos demasiado distantes, na entrega, nos sonhos, na esperança e nos projectos. Quero e vou querer sempre mais, tudo de mim para os outros e deles para que me devolvam cada emoção. Agora já me deito tranquila e não te levo comigo. Agora já acordo apenas eu, não estás e não permaneces pelo dia fora. Agora já posso dizer que não és quem perdi, és tão-somente o homem que não me soube ter. Agora estou leve e livre!

Para ti a quem amei inteira, um adeus sereno, comigo dentro.

Da mulher que já te pertenceu,
L.C.
old
Feel Me © . Design by Berenica Designs.