10.12.12

Quando...




Quando estou mais frágil, quando os dias amanhecem cinzentos, quando sinto que não estou à altura do que é esperado de mim, como mulher e sobretudo como mãe, é quando te sinto a falta.

Sinto tanto a tua falta, não importa onde estás, quem amas agora, o que planeias e consegues concretizar, eu sinto a tua falta, sinto-te, quero estar contigo, quero o teu colo, ouvir a tua voz sonora e determinada que me recordava da minha força, a mesma que mantenho e vou buscar sempre que, como hoje, sinto tanto a tua falta que pareço vazia por dentro.

Permiti-me chorar, com lágrimas que fugiram de dentro, de onde sempre as escondo de mim e dos outros. Chorei-te, senti-te, chamei o teu nome e gritei-te que sinto a tua falta, hoje e todos os dias da vida que me resta aceitar. Assim, sem ti!

Sem comentários:

Enviar um comentário

A cada toque ficamos mais próximos!

Vou sabendo, cada dia mais, que a tua mão está determinada na minha. Vou sabendo, até quando os outros falam mais alto, por cima do que ...