Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2022

Porque é que me olhas assim?

O teu olhar move-me! Porque esperas que o meu corpo não reaja, ou que não se arrepie quando me tocas? Sabes que sem ti não avanço, que o meu sal não se dissolve, que deixo de ser mulher e de permitir que escorra pelo meu corpo todo o prazer que me ofereces. Vem agora. Não me olhes assim. Entra em mim, toma-me, deixa que sinta o teu peso e que me afogue nos beijos que prolongas até que pare de respirar.  Não me olhes assim , pega-me, leva-me, inunda-me de tudo o que tens e sem o qual apenas sobrevivo. Não é possível nem humano que necessite ainda mais de ti. Bastam-me as tuas mãos para que te obedeça, para que me entregue e pare de lutar. Estou a sorrir-te e a dizer-te com tudo o que tenho dentro e fora de mim que apenas tu consegues o que julgava esquecido. Estou a sonhar-te, másculo, pronto e inteiro só para mim, para me dares uma e outra vez, tantas quantas aguentar, dor, sangue, calor, pecado, tu! Sinto o meu corpo subir, porque o teu colo preparou-se para o que sei que virá a segui

Será que teremos forma de controlar a vida?

Tudo o que não sabemos! Nunca teremos forma de controlar o que nos chega , quem nos entra coração dentro, nem nenhuma das possíveis pedras que possam surgir, porque a questão não será SE , mas QUANDO , no entanto temos escolha quanto à forma como reagiremos a tudo o que nos for sendo "oferecido". Nunca saberemos de que forma nos comportaremos perante o desafiante e menos generoso, não até que o vivamos e sintamos na pele. Nunca poderemos ou deveremos dizer nunca , porque a vida arranjará sempre forma de nos provar o contrário.  O que não nos mata torna-nos mais fortes, mas também nos desgasta, impedindo-nos de provar convenientemente de qualquer sabor novo, talvez porque nos tornemos menos crédulos e passemos a duvidar até da sombra que projetamos. Este constante testar de forças. As perguntas ininterruptas que a vida nos coloca para que tenhamos certezas. O subir e baixar de muros emocionais e as idas e vindas para e de lugar nenhum, envolve-nos de mais sombra do que luz,

Parts of me seem to have been ripped out!

Empty hands and broken heart Parts of me seem to have been ripped out . Time stopped running, or maybe it just went wild and free without me handling it right. Parts of my soul will never feel the world the same again, but that was probably meant to happen. Parts of my heart were glued to a new reality, to some of the bitterly sweet feelings that I need to absorb or let go.  My deepest fears were tested to the limit. My hability to understand the floods, big waves and intense droughts, became noticeably weak. I never felt I could be on top of the world, so I kept on falling, deep into the darkness, failing to breathe properly, so afraid of never returning to life as I know it. My skills, the ones I thought I had, never showed up, and I let myself down every time. My tears had no taste, but my mouth was filled with flavours I don´t want to try ever again. My eyes saw the unthinkable, and my hears heard all the ugly words I dared to repeat. My hands became empty and so is everything else

Quero a minha vida de volta!

Ucranian artist Tashe/Living my own life Quero a minha vida de volta  agora que já me encontro de novo em pé. Quero apenas voltar a querer tudo o que me é permitido querer e que cada olhar e palavra me enfeitem o coração de sorrisos. Quero a pessoa com quem já tinha aprendido a conviver, sem esforços, sem questões existenciais e com todo o conhecimento que o tempo consegue trazer. Quero a minha vida de volta para que a possa verdadeiramente viver, sentindo-me grata por cada acordar sem mágoas externas e sem as mentiras que sempre usam os que não gostam da força que a verdade carrega, porque não a reconhecem ou porque receiam a clareza e a luz que as ofusca.  Quero a minha vida de volta  estando no exato ponto e momento em que a perdi a troco de uma ilusão. Já consigo ver a mão que estendo para abrir a porta da minha casa emocional, porque é lá dentro que não preciso de me refugiar dos que me ameaçam a sanidade e impedem de amar sem condições. Já consigo voltar a ser eu, tranquila, pro

Se este fosse o meu último chorar!

Se ao menos amar não doesse! Se este fosse o meu último chorar e se todas as lágrimas que derramasse me lavassem desta vez e nunca mais precisasse de as ver correr. Se o que ficou na minha mente e me encolheu o coração, hoje, simplesmente se esfumasse, terminando com o que parece querer acabar comigo. Se as minhas emoções me deixassem provar novos sentimentos, sentindo sem que a força tivesse que ser continuamente testada. Se a vontade de ser a tua mulher, sem qualquer pedido, porque o amor não se pede, e sem nenhum dos receios que nem as lágrimas lavam, fosse mais do que apenas vontade. Se sentisse que estaria a dar o melhor de mim, quem sabe não acabaria a receber o melhor de ti. Se chorar muito resolvesse, choraria tudo de uma vez só . Tenho escolhas, teremos todos, por isso posso escolher parar e desistir sem olhar para trás. Tenho o que já sei de mim e de cada uma das coisas que me movem, levando-me para os meus lugares certos. Tenho certezas quanto ao que consigo continuar a sen

Quando é que escolhes acreditar?

Quando acreditas, aceitas Quando acreditas  no que existe para além de ti, vês acontecer. Quando entendes que apenas acreditando te levarás até ao lugar há muito antecipado, escolhes o que não te poderá derrubar. Quando acreditas, e de alguma forma acabarás por o conseguir fazer, metade do trabalho ficará feito. Quem é que te roubou os sonhos e arrefeceu o coração? Até onde te autorizaste ir para que continuasses a sentir-te parada, no mesmo lugar e ainda sem a pessoa que a tua precisa de ter? Quem é que te acordaria e permitiria adormecer de coração cheio, com todas as coisas boas que o amor provoca? Quem é que te deixa com vontade de cometer loucuras, subindo bem alto, até ao ponto no qual mais nada ficará por ver? Quando acreditas que tens o que precisas para que te aceitem e acolham o que acumulaste, os obstáculos param de crescer de forma desmedida e tudo do que já és feita faz com que dê certo. Quando acreditas que o amor deverá colocar-te os sorrisos no rosto, arrancando-te o

Vai, sempre que ficar não te baste!

  Vivendo ao som do tempo

Até quando não escolhes estás a fazer uma escolha!

Quando não és a escolha Até quando não escolhes estás a fazer uma escolha! Entende que a vida te cobra movimento constante. Aceita que parado nunca poderás chegar a algum lugar que importe e que nenhum ponto na terra se moverá para ir até a ti.  Até quando respondes não saber já estás a dar a resposta válida. Sempre e de cada vez que te desarredas de oferecer certezas, porque ninguém sobrevive com dúvidas, estarás a abrir uma janela de consequências que te serão devolvidas na mesma proporção.  Entende que o amor não é sempre entendível, mas que tem rostos possíveis, e por isso ou existe e prospera, ou nunca chegará, não para alguns visados. Aceita que por vezes não serás reconhecida e que a acontecer deverás continuar a viagem, aguardando pela paragem seguinte.  Até quando dás o que para alguns seria muito, para outros tantos saberá a pequenas migalhas que soprarão ao vento, talvez porque acreditem recebê-las de volta um dia. Sempre que terminas as noites a sentir que não consegues fa

O que viste no meu rosto foi amor!

Tanta falta de amor... O que viste no meu rosto foi amor . O que ouviste dos meus lábios, enquanto te soprava de mansinho as orelhas que gostava de beijar, foram as palavras que uso de cada vez que desato a amar. O que sentiste foi o resultado do que me passaste e por isso me deixei tão pequena e incapaz de gritar, até quando o fiz, porque não eram ciúmes, era apenas muita dor envolta nos presentes envenenados que me enviaste, uma e outra vez. O que tiveste, de todas as vezes que julgava estar a ter-te, foi sempre carregado da minha verdade, do que tinha apenas para ti e do que nunca misturaria com qualquer outro que não tu mesmo. O que perdeste foi a pessoa que se entregou sem receios, mas com todos os medos do mundo e ainda assim persistiu. O que já não vais voltar a tocar é tão somente o corpo que um dia te pertenceu. É difícil recomeçar depois de uns quantos começos falhados, mas não sou das que vira as costas a um desafio, sobretudo emocional. Não corro para apenas ter, quero que

Num qualquer final de dia vieste!

Alone once again Num qualquer final de dia , no que parecia ser apenas mais um momento, uma pessoa e umas quantas trocas de palavras, passaram a povoar--me os lugares mais obscuros da alma. De repente fui confrontada com o pior do mundo e com a escuridão a que nos votam os que não sabem o que significa amar. Do nada, e sem que o tivesse pedido, atraí quem me impregnou o coração de sentimentos amargos. Num qualquer final de dia, que até poderia ter sido apenas mais uma noite, permiti a entrada de quem quase me esventrou a esperança, desbaratando o amor como sempre o quis sentir. Nada nos chega do nada. Ninguém é apenas mais um alguém num momento. Nenhum sentimento que nos bate, com mais ou menos força, deve ser apenas olhado como necessário, porque ninguém precisa de se envolver na realidade pesada dos que escolhem ficar no mesmo ponto e lugar, sem que segurem as mãos que lhes são estendidas. Nada nos chega do nada e é nisso que nos devemos focar de cada vez que olharmos para o que já f

Mais um ano de balanço!

Balanços de 2022 Estou em balanço, não apenas por ser final de ano, mas porque gosto de me analisar, recuperando-me de cada vez que arriscar perder-me! Os dias nunca passam em vão por mim, arranjo sempre forma de me olhar, melhorando-me. Não me sabia tão exigente e perfecionista. Não me examinava o bastante para perceber as diferenças, mas acabei por aceitar cada uma, aceitando-me. Não me escutava assim, de forma tão tranquila e com todo o tempo do mundo, desde que fui mãe. Os barulhos, movimentos e rotinas, deixavam-me livre para crescer sem demasiadas tabelas, mas eis que chegou o confinamento e acabei confinada, definitivamente, de muitas pessoas. Não me lembro de ter alguma vez usado o tempo inteiramente a meu favor, mas sei que passei a respeitar até a forma como respiro, entendendo que por vezes será descompassadamente, mas apenas para que me sossegue logo de seguida. Não voltei a encontrar o amor na forma que sonhei, mas aceitei que os sonhos serão apenas meus e que ou os adapto

Por onde ir e que caminho escolher?

"Por onde ir" Ainda não pareço te escolhido o caminho que me cabe, talvez porque algures, num tempo do qual me protegi, o tenha adiado. Sei bem mais do que antes, mas permaneço em dúvida perante o que talvez até já tenha determinado, mas sem parecer saber o que ser hoje, quando até já posso ser tudo. Passei demasiada vida a ser dum formato que terá que ser desconstruído para que me reencontre, eu a mulher madura e bem mais sábia, com a que era tão somente doce e sonhadora. Ainda não sei por onde ir, para onde e quando chegar. Ainda não acordei plena de motivação e total confiança nesta nova etapa. Ainda não me consegui ler na íntegra, àquela que passei a ser quando caiu a capa da cuidadora e só restei eu. Ainda não escolhi o caminho, mas já me prometi a pressa que levaria a que a vida escolhesse por mim.  

Novos dias perto dos últimos!

"Sue Amado´s photo" De cada vez que permites que a vida passe por ti em vão, adias-te e deixas de olhar para o que deve ser visto!

Será que fui feita para ti?

"Be yourself first" Fui feita para ti. Era o que me dizia, porque me soava bem, mas já sei que apenas seremos feitos para os que já o forem para nós!  Nunca me considerei de visões curtas, ou um ser que apenas se deslumbrava com as palavras alegadamente de amor. Nunca quis mais do que seria capaz de manter e sempre me mantive alinhada com o que tinha para partilhar. Nunca duvidei das minhas emoções, mas também aprendi a ouvir com atenção o meu sexto sentido, que por esta altura deverá andar pelos sétimo ou oitavo. Nunca fiz o contrário do que dizia. Fui feita para ter ao meu lado quem saiba manter, porque querer tem que ser natural e imediato. Fui feita para receber um amor tão grande quanto o que tenho reservado. Fui feita para manter a felicidade que alguém já trará na bagagem, conservando a minha. Fui feita para o que ainda não chegou...

Quem é que escolhe?

"Never alone" Quem é que determina as escolhas que parecemos fazer todos? Quem é que carrega o poder de terminar depois de cada começo e recomeçando de cada vez que seja necessário terminar? Se partires levarás uma parte de mim, seguramente que não a melhor, mas a que te manterá do lado que agora me pertence inteiramente, mesmo que preferisse ser eu a escolher. Se não me souberes manter, apenas manterás o que afinal já nem me servia. Se te demorares na escolha, terei que escolher por ti. Quem é que sabe do que lhe chega, quando já nada parecia chegar para que se mantivesse a acreditar? Quem é que pensará em nós pelo tempo que nos deixamos a pensar no que nos mudaria a viagem e acrescentaria os dias? Se ainda não tiveres, nas mãos que um dia seguraram as minhas, a força e a coragem de me manter por perto, a solução passará por as abrir e seguir!

Perceptions!

  "Sue Amado´s photo"

Mindest!

"Foco no objetivo" Mindeset , tenho e mantenho, na vontade e a determinação de ser e de conseguir algo. Sou focada e quando quero, faço por ser e por ter! Por vezes esbarro numas quantas pessoas que me fazem aumentar a admiração que tenho por mim, não porque seja mais, mas porque fiz por isso e nunca me detive numa incapacidade. Apetrecho-me diariamente com o que me servirá no futuro, mas vou saboreando cada presente, cada dia mais, para que nada fique por sentir, dizer ou concretizar, até o que não será imediato, mas que eventualmente chegará. O meu mindset  caracteriza-me não apenas pelo que digo, mas também pelo que faço, a mim e aos outros. Tenho clareza nas minhas atitudes e nada nem ninguém me desvia do que a idade, a viagem e a vontade já me ensinaram. Sou a condutora do meu destino até quando concedo algum tempo de antena aos que me fazem abrandar, primeiro porque lhes permito o tempo que levarão a surpreender-me e depois porque também aprendo com as suas incapacidade

Carta de amor ao Universo!

"Love letter" Carta de amor ao Universo! Olá a ti que tanto me ensinas e cuidas, mas também esbofeteias de cada vez que me perco de mim. Sei que sou apenas uma ínfima parte de todas as partículas que te compõem, mas que ainda assim importo. Sei que te devo o que sou e que é de ti que tudo me vem, o bom quando me empenho e o mau quando me desvirtuo. Tenho feito um percurso de muita aprendizagem e interiorização quanto ao que me cabe, mas sempre consciente de que receberei de ti o que for capaz de criar, doando-me. Tenho-te pedido umas quantas coisas e atribuo as minhas conquistas à tua disponibilidade, mas esta carta tem um fim muito específico: Não temos conversado muito sobre o amor, não porque tenha desistido dele ou sequer o considere impossível de acontecer, mas porque me arredei da sua procura, procurando estar de bem comigo enquanto não chegar. Não me foquei demasiado na falta que até já estaria a sentir de alguém que me ligasse os botões, mas decidi que preciso de me f

Ainda aqui a outra margem!

  "Sue Amado´s photo"

Desistir também é opção!

  Uma mulher forte irá automaticamente parar de tentar ao sentir-se indesejada. Não reparará nada, ou sequer implorar, irá simplesmente afastar-se! Ser forte não é uma condição, mas sim uma necessidade e um percurso e mesmo que por vezes nos consigam vergar, jamais voltaremos a ser quebradas. Andar por aqui, vivendo e aprendendo, obriga a que façamos o que apregoamos, de contrário tudo passará a ser em vão.

Será que fico à espera?

De que forma nos podemos colocar em fila de espera , esperando que possamos ser verdadeiramente vistos? Onde podemos ir buscar a resistência e a crença na vontade dos outros em terem vontade de nós, desejando que não se demorem e que o atraso não nos faça partir? O "jogo" das relações é o mais desafiante da vida, porque somos continuamente testados quando as certezas são mais distantes que a vontade de parar de duvidar. As emoções que nos envolvem perante os sentimentos do outro, parecem ter vida própria, mesmo que acredite serem sinais e alertas vermelhos, porque o nosso corpo, coração e alma sabem de tudo, sempre. De que forma nos conseguimos diminuir para caber no mundo de alguém e que custos acarretam a desistência e a falta de amor próprio?  Desistirmos de nós é um preço demasiado alto. Escondermos a dor, esperando que eventualmente alguém a leve, é tão ilusório quanto o amor que escolhemos sentir sozinhos e que não saberá ao sabor do simples e do real. Terminarmos os di

E no que toca ao amor?

No que toca ao amor acredito que andamos todos a tatear, caminhando com pés de lã, mesmo que com muita vontade, mas com igual sensação de medo e dúvida. Nunca parecemos saber o suficiente, nem qual o lado certo da pessoa que nos entra coração dentro sem pedir licença. Nunca encontramos forma de dar o bastante, ou talvez até o façamos em demasia, desequilibrando a já tão sensível balança das emoções. Nunca conseguimos respirar de alívio. No que toca ao outro, à forma como pensa e com que intensidade, a lição é ainda mais dura e não raras vezes acabamos às apalpadelas, cegos de muita vontade, mas com tanto para aprender. Amar não basta. Dizer que se ama ainda menos. Mostrar que queremos tudo, dando-nos aos pedaços, nem sempre convence e não raras vezes também nós duvidamos até do óbvio. No que toca ao amor , sermos nós parece ser pouco, mas termos quem escolhemos pode até derrubar o sabor que o sonho colocou na nossa realidade. Quando foi que nos tornámos tão fracos, assustados, julgado

Cloudy days!

  Sue Amado´s photo

És mesmo de todas?

"Sei que não me serves" Já percebi que todas te querem e que podes ter qualquer uma, que  BOM  para ti, mas não gosto do que gostam os outros e não quero produtos em massa como se viessem dos chineses, prefiro as peças únicas e os exclusivos. Prefiro também saber que apenas sirvo para quem me serve,   multidões  nem para compras, feiras ou jogos de futebol, não sou do tipo papagaio e não repito o que os outros na maioria das vezes nem sabem o que estão a dizer. És de todas, queres todas e qualquer uma te serve. Bem, também não vou ser assim tão mãos largas, é que até a mim me faz confusão tanta mistura e falta de seletividade, por isso vou-te dar algum crédito e dizer que não vais com todas, mas que procuras em algumas o que aos outros há muito deixou de servir. Cuidado com essa tua mania de pousar só por pousar, de cantares sem seres galo e de não saberes distinguir galinhas de campo, das de aviário, é que até na carne o sabor é diferente. Cuidado com as comparações e com o

Almost winter!

  "Sue Amado´s photo"

Será que conseguimos estar presentes?

Será que é possível, doable como dizem os ingleses, ajudar os outros sem mais nada, apenas porque nos preocupamos e até conseguimos forma de resolver o que mais ninguém consegue? Dito assim parece que a resposta só pode ser um sim redondo, mas aparentemente nada é claro nos dias de hoje. Se fazemos é porque temos alguma intenção escondida, se não fazemos somos uns egocêntricos. Se ajudamos os de fora perguntam-nos logo pelos de dentro. Preso por ter cão... Cada vez entendo melhor os que se arredam da vida alheia, os que dizem lamento, mas não posso, porque esses apenas se livram, na generalidade das vezes, de problemas que não lhes dirão respeito. Tudo é bem mais fácil quando somos apenas nós, menos propenso a debates e a análises, mas a verdade é que também existe a ajuda sem retorno, existem pessoas que apenas não conseguem virar a cara e fingir. Olhem só que chatice, ser humano tem mesmo porras.  Acredito, piamente, que é possível sermos mais próximos uns dos outros e não apenas nas

Escolhe por onde caminhar!

  Sue Amado´s photo

Ninguém escolhe amar!

Ninguém escolhe amar , mesmo que seja o sentimento mais desejado, quando é genuíno e recíproco. Ninguém escolhe a quem amar, até quando alguém nos entre olhos dentro e quase se recuse a abandonar o coração que vamos fustigando, usando e abusando da sua capacidade de se restaurar. Ninguém espera ser escolhido apenas porque sim, por norma romantizamos os comportamentos, esperando demasiado das emoções. Ninguém espera pelo momento em que não terá a quem amar, simplesmente por ser TÃO difícil ser amado. Mesmo e quando permitimos que os sentimentos entrem e se instalem pelo tempo que entenderem, precisamos de entender que mandamos muito pouco, gerimos quase nada e apenas sabemos do que vai acontecendo à velocidade da vida, porque ela sim tem os planos bem definidos. Mesmo que queiramos acreditar que o amor que nos serve chegará eventualmente, a verdade é que nada nem ninguém se atreveu a garanti-lo. Soluções? Não tenho, lamento, mas sempre podem ir vivendo e esperando aprender algo no pr

Estou claramente diferente!

Sei que estou diferente , mas para melhor. Sinto que passei a sentir da forma certa, sem precisar de me cobrar em demasia, porque sou sempre muito mais exigente comigo e em primeiro lugar. Estou diferente porque precisei de dar alguns passos atrás para avançar com mais determinação ainda, mas já estou a conviver melhor com as minhas diferenças, até porque deixei de gostar do que parece tornar os outros demasiado "iguais". Sei que o lugar onde me posiciono diz tudo sobre quem sou e do que consegui aprender comigo e com os que também andam por aqui. Sei que já não me perco em olhares que não deixam ver o que interessa e sei que saber demasiado incomoda os preguiçosos mentais. Sei o que preciso de saber de cada pessoa que cruza o meu caminho e o que permitirei que saibam de mim. Estou diferente para alguns, é um facto e para uns quantos nunca mais voltarei a ser igual !

Já sei do que me vou arrepender!

J á sei do que me vou arrepender e de quantas saudades sentirei do que não fui capaz de manter ! Vou-me arrepender  de não querer retomar o amor que certamente me caberia, porque vou deixar de viver acompanhada até nos silêncios e vou arremessar, para bem longe, qualquer respigo de todas as emoções de que sou feita.  Vou-me arrepender  de não ouvir as gargalhadas da minha outra pessoa, passando apenas a rir-me sozinha e para mim, porque  v ou sentir saudades  dos laços que inevitavelmente criaria  com quem juntaria memórias para o depois, e dos abraços tranquilizadores que me manteriam numa segurança imaginária, mas doce.  Vou sentir saudades  do que teria para contar e que não passaria apenas por mim, mas que me teria em cada momento vivido com o amor que carrego dentro. Já sei que terei muito mais sobre o que escrever e que o continuarei a fazer sozinha, não segurando a mão que poderia manter a minha cheia de todas as certezas de que necessito, mas que apenas me tocou com as incertez

Como é que se volta a confiar?

Como é que se volta a confiar  quando tudo o que sabíamos ser errado nos é erradamente dado a provar?Onde é que se define a linha, cada vez mais ténue, entre o que é certo e o que será inequivocamente distorcido e impossível de aceitar, mas apenas para alguns? Como é que se sobrevive ao desamor consentido? Vamos ter que permanecer no percurso que nos trouxe até ao que fizemos por construir e do qual afastámos o que não poderia fazer parte dos nossos dias. Vamos ter que nos manter firmes no propósito de não ceder ao comum, sendo positivamente diferentes, mas bons. Vamos ter que usar de toda a força que sempre acreditámos possuir, para que ninguém nos quebre, mesmo quando nos vergarem. Vamos ter que acreditar que um dia tudo valerá a pena.

Another day, some more hope!

  Sue Amado´s photo

Já me disse muitas coisas...

Já me disse muitas coisas , que ficaria bem e que saberia de que forma aceitar o que não me serviu. Já me disse que apenas iria querer quem me quisesse, saboreando o verdadeiro sabor do que é real, mas também me disse que nunca terei como controlar de que forma os outros desatam a querer. Já me disse que não precisava de ser salva por ninguém e prometi-me um chão firme e menos solitário até quando me sentisse sozinha. Já me importei mais com os que chegavam, mas passei a sentir-me assustadoramente indiferente e egoísta, porque apenas assim pareço ser capaz de me proteger. Já me disse as palavras que outros deveriam ter soprado, mas fi-lo sempre e de cada vez que precisei de me reerguer. Já me disse que era muito, mesmo que vá precisando de me recordar de quem sou na realidade. Já usei palavras duras comigo, para que não me contentasse com o pequeno e já quase que aceitei migalhas para justificar o amor que apenas eu sentia. Já me disse que tudo acabará por ficar bem, porque assim

Beautiful days!

  Sue Amado´s photo

A irracionalidade!

A desconfiança e o medo de sermos enganados leva-nos à  irracionalidade  e à procura de fantasmas até onde não existem! Isto de se ver esqueletos no armário pode transformar-se numa patologia grave, por isso é que quero ver se não necessito de choques elétricos. A verdade é que uma vez enganados, para sempre desconfiados, porque somos todos feitos de uns quantos fantasmas e de inseguranças que mantemos para lá da vida adulta. Cabe-nos, no entanto, perceber se serão apenas fruto da nossa incapacidade em confiar, ou se estamos irremediavelmente danificados. Precisamos de tentar ver para além de nós mesmos, dando aos outros a possibilidade de se mostrarem como são e de nos conseguiram assegurar da sua fiabilidade.  Não gosto da sensação de não acreditar. Não gosto de olhar de soslaio e de me sentir amarga e descrente. Não gosto de incluir o meu passado, o tempo todo, no presente que estiver a construir, porque disso dependerá o meu futuro. Não gosto de marcar a ferro quente quem não conhe

Liberdade é?

  Sue Amado´s photo

E se eu pedir desculpa?

E se eu pedir desculpa?   Não sei se adianta, mas ajuda qualquer coisa, pelo menos deixa perceber que me preocupo, que sei quando magoei e que a minha incapacidade não deverá ser motivo para deixar de usar uma das palavras mais difíceis que conheço. Não tenho medo de  pedir desculpa , mas receio não ter forma de o deixar de fazer, porque mesmo que nunca pretenda magoar, defendo-me ou ataco se for acossada, se me deixarem sem saída, ou se quiserem de mim o que sei de antemão não poder dar. Gostava de poder olhar para os outros e não os ver de imediato, como na realidade são, quem sabe dessa forma não caminharia um pouco mais na tentativa de os incluir. Seguramente que sairia da minha zona de conforto mais vezes e não lhes daria apenas uma chance de mudarem o que me agradou menos. Juro que quero ser mais serena, aceitando as incapacidades que todos temos, uns mais do que outros, mas vou ter que continuar a  pedir desculpa , porque não sei abrir mão da minha exigência e porque determinei

Do que é que gostei afinal?

Gostei de tudo o que consegui sentir enquanto achava que me sentias . Soube-me pela vida os sabores que povoavam os meus lábios enquanto te beijava e achava que estavas inteiro em cada toque e olhar. Parecia precisar de acreditar que o amor chega e se cola quando o desejamos, mesmo que já não o esperasse. Gostei de tudo até perceber que apenas gostavas de mim e passou a ser TÃO pouco. É pouco que nos coloquem em fila de espera, esperando eventualmente que passemos a ser alguém real. É pouco que precisem de nos querer escolher. É pouco que usem as palavras que o corpo e a alma não acompanham. É pouco que nos escondam a verdade que mudaria tudo para melhor. Não gostei de precisar de fingir que entendia, que saberia esperar e que não via o que era demasiado óbvio para me conseguir manter. Não gostei de não ser gostada como esperava e que me oferecesses apenas o que te sobrava. Não gostei de ser mais breve que um cigarro fumado à pressa e que nem ao respirar me envolvesses no teu ar. Não

O equilíbrio no amor!

Não existe amor que mereça ou sobreviva a igual desamor! O amor aprende-se, alimenta-se, faz-se crescer e incluir, mas não pode nem deve ser escolhido entre outros amores. O amor , o meu, o que me cabe, tem que caber inteiro no coração que me alimentar. O amor é generoso, atento e sabe em quem precisa de pousar, sossegando-se com as certezas que balançam no olhar. O amor tem apenas um campo de visão e não gira a cabeça de cada vez que o "vento" mudar. O amor não é egoísta, materialista, ou desviante, é limpo de interesses, interessando-se apenas pelo que o fará crescer. O amor , o verdadeiro, sabe sempre o que fazer, mesmo sem instruções e com poucas direções, mas com as melhores intenções, porque mesmo quando tudo oferecer, se ainda assim nada acontecer, ele saberá e permanecerá sem demasiadas dores e pronto para novos amores.

Dizer que se ama tem porras!

Dizer que se ama tem porras!  Tem mesmo, porque parece que nos deixa irremediavelmente agarrados. Será por isso que tantos têm medo de o fazer? Sou capaz de desbaratar a palavra  amo-te  se for o que sentir e não importa por quanto tempo. Não planeio mudar ninguém, sobretudo os que acham que ficam com grilhetas se a usarem, mas de tanto a usar, certamente que um dia andarão a soprar amo-te até às flores. Dizer que se ama tem porras, sobretudo para os homens. - Se lhe digo que a  amo  vou ter que me casar. Não vão  mesmo  garanto, até porque e segundo as estatísticas, cada vez menos mulheres se querem casar, por isso estão seguros, relaxem. Lá que não tenham aprendido a usar a palavra, até que entendo, agora acharem que a mesma vai mudar a rotação da terra e do sol.  PLEASE ! Dizer que se ama tem porras  para quem não o pretende fazer, mas acredita que dessa forma chegará mais longe. Ok, se está na moda, vamos lá! Estes são os arrojados, os que amam a torto e a direito. Amam tanto e tan

És tão doce!

És doce  tal como a tua boca e o teu olhar.  És sempre doce  para mim, meiga, atenta e minha! Estou num daqueles dias em que não te consigo largar, em que me envolvo em ti mantendo-te sempre no meu corpo, possuindo-te, tocando-te, virando e revirando-me nas minhas rotinas, mas voltando sempre a ti para beber de um pouco mais. Nunca me canso de referir a forma  doce  que sempre usas quando me falas. Sabes, melhor do que ninguém, como me dizer tudo o que preciso de ouvir, mas da forma certa, a que me fará estar verdadeiramente atento para que aceite e entenda o teu ponto de vista. És doce  quando me tocas, porque consegues passar-te toda, entregando-te sem reservas.  És doce  sempre que me lembras do quanto me amas.  És doce  até quando tentas ficar zangada, mas reconheces que não consegues, que não precisas e que gostas bem mais de gostar de mim como sou. Foi a tua doçura que me cativou e foi por ela que fiquei até hoje, desejando que te mantenhas assim, só para mim e que me ensines a s

Já não camuflo emoções!

Já não camuflo emoções . Já não deixo que os meus sentimentos venham de lugares escuros. Já não espero por quem nunca esperou por mim, porque esperar é permitir que o tempo passe sem que o use a meu favor. Já não vejo o que não existe e deixei de existir por quem ficou sem saber o que fazer de mim. Sou uma crente determinada. Vejo o melhor do mundo nos que me chegam e nunca olho para o que me possa impedir de ser convenientemente olhada. Sou feita de muitas camadas, mas nenhuma se sobrepõe à inicial, a que dita a minha essência e dessa nunca fujo. Sou o amor que me tenho e dou o que recebo para o multiplicar, reabastecendo-me do que é certo. Viajo em cada pensamento e recuso paragens emocionais que me demarquem de quem construí e tão bem conheço. Já nã o me contento com as metades que não teria como juntar. Já não uso o amor como desculpa e parei de desculpar as palavras que nunca me poderiam alimentar. Já não escureço com a noite, porque já  sei quais as cores que me iluminam e sã

O que é que muda quando mudas?

Painting by Cindy Press O que é que muda quando mudas? Tudo, o espaço, a perceção, a perspetiva, a entrega e até a disponibilidade. Mudam os momentos que decidiras antecipar, considerando que a antecipação fora despropositada. Muda o olhar para com os que te viam e a crença na sua capacidade de te amar. Muda a entrega às causas, ao arrojo e aos sonhos que agora te impedes de sonhar. O que é que muda quando o teu coração é apertado até quase deixar de bater, ou batendo tão veloz que se torne incapaz de te manter?  Muda tudo o que julgavas saber e pouco do que sabias te consegue valer. Mudam os minutos que se transformam em horas e até os dias ameaçam não voltar a nascer. Mudam as noites que escurecem mais cedo e é com a falta de luz que deixas de te ver. O que é que mudas quando o amor te passa a faltar? Muda também a tua capacidade de voltar a amar.

Dias especiais!

Sue Amado´s photo  

Gostava tanto de gostar de ti!

Gostava tanto de gostar de ti da mesma forma como te amo ! Por norma só sabemos do que vivemos, ouvimos ou de alguma forma conhecemos, mas contigo foi diferente, irrequieto, pesado, intenso e doloroso. Andei sempre perdida a tentar dar nomes a cada situação nova, mas fiquei sem letras do vocabulário para reusar, acabando por me sentir verdadeiramente usada. Gostar de alguém parece ser o processo natural, no entanto e porque o coração por norma decide tomar a dianteira, amar é consideravelmente mais fácil. Já não vou ter no futuro o mesmo tempo, ou oportunidades que no meu passado, por isso escolhi continuar a gostar de mim o suficiente para te deixar ir. A pessoa que antecipo do meu lado tem que ser sobretudo meu amigo, velando o meu sono para que os sonhos não me impeçam de viver e vivendo comigo o que mais ninguém conseguiu fazer. Um novo amor, a acontecer, terá que saber de que forma reescrever uma história comum, retirando-lhe todos os episódios obscuros. Ter por perto quem se lemb

Aqui estava eu...

Aqui estava , como sou, de braços abertos e pronta para receber quem julgava ter reconhecido. Aqui estava , sem demasiados medos, mas cheia de receios que se revelaram fundados. Aqui estava , até ao dia em que precisei de me retirar, desistindo do que afinal nem sequer tivera. Não levei mágoas na bagagem. Não me escudei em desculpas, até por que nunca as uso e não me impedi de mostrar quem era, mas nem assim consegui ver-te. Foi sempre tão fácil acreditar que eventualmente o poderia fazer, sabendo que o que dizia e a forma como me conduzia me refletiam na íntegra e que isso bastaria. Fui eu sem as máscaras que normalmente me cobrem a face e o coração, mas depressa me arrependi de baixar os muros que me protegiam sobretudo de mim, porque tendo a julgar os outros pelo que sou.  Aqui estava , sem nunca bastar e sem ser a que eventualmente mudaria o curso de uma vida aparentemente desejada. Aqui estava , sozinha como antes, tendo apenas por companhia o que me arrancaria todo o sabor doce q