Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2015

De onde te vem o talento?

Acabaram de me perguntar porque consigo expressar-me desta forma, fazendo com que os outros se revejam no que escrevo, mas o que sei é que as palavras vão saindo sem qualquer plano. Sento-me, olho para as teclas do computador e deixo-me ir! Se tivesse quem fizesse a correção ortográfica por mim, nunca relia o que escrevo , deixando de me sentir  estranha  e assustada com os sons que deixo escapar. Por vezes estou apenas a lavar a alma e a impedir que o corpo se ressinta de uma dor intensa , mas outras há em que escrevo fora de corpo sem qualquer ligação emocional e tão vazia que diria estar num sono profundo . Quando estou mais " down ", bastam os primeiros acordes de uma música que o resto flui, saindo mais veloz do que a minha velocidade física. Mesmo que o meu mundo esteja a desabar, nunca me consigo silenciar, arranjo sempre forma de me debitar e de deitar fora partes de mim, porque sei que no final ficarei mais tranquila e restaurada. Já tive ocasião

Estávamos a precisar...

Estávamos a precisar  e a descarga foi tão intensa e real, que nenhum de nós se arrependeu! Existem males do coração que o corpo consegue curar , por isso decidi que contigo seria possível e foi realmente. Não nos prometemos nada, pouco falámos, apenas nos abraçámos, como se o amanhã já não fizesse falta e tivemo-nos. Não me recordo, não desde que me conheço por pessoa, de ter feito amor apenas por precisar de pele . Ter sido contigo foi um acaso do destino, ou talvez não. Enquanto deambulava solitária numa rua fria e deserta, apareceste com um olhar de quem se sente abandonado e sem me pedires, abriste a porta do carro e eu entrei. Não te olhei, deixei-me conduzir e senti que precisava de alguém que estivesse a precisar de mim da mesma maneira. Não sei onde fica a tua casa, não teria como voltar porque não estive atenta ao percurso. Não sei a cor das paredes, não me lembro sequer de onde estava a porta da entrada. A tua mão empurrava-me de mansinho e foste tu que me despiste.

Acordar contigo foi assim!

Feelme/Acordar contigo foi assim! Acordar contigo foi natural , tranquilo, mesmo depois de uma noite bem agitada, onde estivemos quase sempre acordados, tocando-nos para nos certificarmos que eramos mesmo nós, ali, juntos, em abraços que não quisemos despegar, com beijos que nos colavam as bocas sequiosas, com os corpos incapazes de se satisfazerem, mas satisfeitos com cada carícia. Acordar contigo bem que podia ser sempre assim. Eu e tu, sem horários, esperando pelo cair de cada noite, e empurrando as manhãs para que nasçam bem mais tarde, permitindo-nos o tempo que nos recusámos antes. O que mais se pode desejar de quem desejamos do nosso lado? O que se pode esperar quando as esperas terminam, e o que é nosso chega, como se não pudesse ter sido de outra forma? Para onde acabaram a ir os dias onde não éramos nós? Não me importa o que tinha, quero saber do que tenho, agora, quero saber de ti, do que és para mim, e de tudo o que me consegues proporcionar, começando pela

Merry Christmas!!

Feelme/Merry Christmas!

Pensamentos!

E cheguei aos 2,500 posts!!

AMAZING ! Feelme/E cheguei aos 2,500 posts! Não sei como o consegui fazer, mas a verdade é que 3 anos e 8 meses depois, já depositei muitas palavras neste blog , e encontrei, através dele, muita gente maravilhosa! Cheguei a um dos meus marcos para este ano, não pensei nele todos os dias, mas quis atingi-lo, até porque chegar, " lá" , só me poderia dar uma enorme sensação de poder. Cheguei aos 2,500 posts , e em cada um ficou muito de mim, mas também de outras almas e corações. As palavras são minhas, mas por vezes, mais de 70 por cento do tempo , limito-me a usá-las para tranquilizar, ou abanar os outros. Tenho recebido histórias, incríveis pelas dores e pelas conquistas, ouvido lamentos que forçaram a paragens, a sentimentos depressivos e a ódios também. Tenho tranquilizado quem não encontra forma de entender quem ama, Tenho ajudado a fazer travessias e tenho-me ajudado a mim própria, ouvindo com atenção o que fizeram de errado, tentando, com muito emp

Conseguir ter, na palma da mão!

Parece difícil , mas se o consigo pensar e visualizar, então estou pronta para o receber! O mais difícil já foi conseguido . Já sei o que quero fazer, onde me vejo no futuro e com quem. Nada mais simples, certo? Todos nós sabemos que não é verdade, e que muitas pessoas, se não a maioria, passarão a sua inteira existência sem saber o que vieram "aqui" fazer, o que lhes está destinado e de que forma poderão contrariar o que acabaram a atrair, mas que não as satisfaz em nada.  Primeiro temos que sonhar, depois planear e visualizar, juntando empenho e resiliência. Abanamos bem até conseguirmos a persistência necessária, e depois , depois é só permitir que chegue, estando com os braços, e a mente bem abertos. TANTO que já acabei a ter  na palma das mãos , mas não se iludam, não se limitou a cair, eu fiz, e muito, para que acontecesse. Não desisti, procurei formas de contornar os desafios mais exigentes, desafiei-me a mim, sempre, testei e fui testada quanto à min

Parei-me!

Deixei de me preocupar com quem te deseja, com quantas consideram que serias o homem ideal e já nem quero saber do que julgam saber! Parei-me quando percebi que estávamos em sintonia e parei-me  sobretudo porque nunca te poderia forçar a seres e a sentires o que preciso. Parei-me porque nos magoava aos dois. Parei-me porque acredito que a forma como te amo é tudo o que sempre precisaste. Não existe nada neste ponto da minha vida que me deixe mais tranquila do que o amor que te tenho. Consigo sentir toda a energia que me passas de cada vez que me lembras que acabaste de te lembrar de mim. Tal como sei que  NADA  permanece por tua causa, também é certo que é contigo no pensamento que tudo caminha de forma mais intensa. Saber que existes e que é de mim que precisas, aumenta os meus poderes , desafiando a minha determinação e vontade de ser bem melhor do que já sou hoje. Saber que te estou reservada, conseguindo esperar de forma tranquila para que venhas, deixa-me livre para

O meu primeiro romance publicado!

Vou dizer tudo o que sentir por ti!

De agora em diante, se me fizeres falta. S e sentir que te quero muito e que preciso que me toques para me certificar que te tenho, vou   dizer .  Se sentir , como acontece em grande parte do dia, que não consigo estar contigo, vou dizer que mudas cada olhar que uso para ver o que quero.  Se para te deixar bem e fazer feliz eu tiver que dizer, 120 vezes que és o homem que preciso, vou dizer. Quando nos dispomos a aprender, a prosseguir com o que nos veio parar às mãos, negociando e renegociando tempos, sentimentos e momentos, tudo acabará por se encaixar, eventualmente. Quando nos conseguimos distanciar de emoções revoltas e de medos, parando, falando e pensando no que pensará o outro, os elos da corrente manter-se-ão ligados, firmes e inquebráveis. Eu sei o que sinto e de que forma passei a sentir-te. Sei por onde entraste e porque não planeio deixar-te sair. Posso dizer que é bom, querer-te assim? Não me fica mal reconhecer que és importante e que quero continua

E já são 16!

Mesmo que tenha a sensação de que passaram demasiado rápido, sei que vivi cada ano e que fui SEMPRE  a que estive em todos os passos que o vejo dar! O meu segundo filho , o contestador , o que sabe o que quer e de que forma, até quando muda de ideias, é um ser muito especial e não o digo por ser a mãe, mas porque sempre foi mal nasceu e me começou a desafiar, tal como faz agora, mas com ainda mais convicção, forçando-me a ser melhor e deixando-me envergonhada de cada vez que não consigo. É seguramente a minha versão melhorada , porque encontra, mesmo no turbilhão de ideias que sempre o assolam, a tranquilidade que me falta. Não julga ninguém, nunca sem factos e tem um coração que leva todos quantos vai conhecendo pelo caminho, armazenando-os com imenso carinho e respeito. É um jovem homem que se preocupa genuinamente comigo e é a quem recorro sempre que sinto o medo disparar, medo de não o poder proteger, ou aos irmãos. - Oh mãe, assim até me ofendes, quando achas que preciso

Pensamentos!

We used to!

We used to figure it out, going the same places, and being the same ones. Nothing ever changed, not before, as it does now, the minute we walk out the door, because we´re not there, nor you, nor I. We should have learned how to fight our differences. We should have accepted us both, with what we brought to one another, but we simply let it all go.  We used to be such good friends, laughing of silly jokes, wondering around for the same periods of time, and going whenever we had no other chance. We used to love the same things, sharing the food and the sounds, dreaming of places where only one would never make sense. Nothing is totally lost until we really lose it.  Nothing seems far when we manage to stay close. And no distance ever separates who wants to be together. We used to know what the other wanted, with no effort, no rules, free of charges.  We used to know what was really important, and all the rest stood still, for as long as we made love.  We used to

Estreia na escrita em andamento!

Feelme/ Estreia na escrita em andamento !Tema:Sentimentos! Imagem retirada da internet Estreia na escrita em movimento . Ontem não consegui deixar nenhum post agendado, afinal de contas até uma mulher tem limites e eu terei certamente os meus. Assim restou-me escrever no comboio, a caminho de um caminho que certamente terei que fazer muitas vezes, e perdoem-me a redundância, mas aqui tinha que ser. Estou a precisar, mesmo, de me descolar do papel de mãe, porque eu uso de um exagero e de um contole que ainda os sufocará um dia. Não sei delegar, sou de um exagero que cansa, cansa-me sobetudo a mim, por isso esta nova etapa irá trazer ajustes benéficos para todos nós. Mais logo darei notícias sobre o maravilhoso evento, no qual estarei presente. Tudo tem um início, um encadeamento, e como já ouvi dizer esta semana, a vida só é dura para quem for mole. Mexam-se, para chegarem a algum lugar que valha mesmo a pena!

Não te encolheste, nem quando te partiram!

Não te encolheste , mostraste alguns medos quando te partiram pela segunda vez, mas não te fechaste ao amor e acreditaste que terias um tempo e um lugar.Tens sido uma lufada de ar fresco, para todos e até mesmo para mim quando arrisco desiludir-me, achando que a minha vez nunca chegará. Tenho-me alimentado do amor que te vejo reflectir e que reflexo maravilhoso chega do teu olhar, das palavras que agora carregas e já sem os medos de antes. Conheço tão pouco de ti, mas consigo sentir cada pedaço de alegria que espelhas. Não sei praticamente nada do que vives, mas consigo perceber o quanto tudo se encaixou e como encontraste quem te ama, verdadeiramente, tanto quanto te sabias capaz de amar. Precisamos de nos voltar a encontrar, para que me insufles cada gota dessa coragem de que te envolveste para teres tudo o que recebes, agora, com mérito reconhecido. Precisamos de nos aproximar, para que também eu te passe a certeza que me ficou, da possibilidade que nos caberá a todos

Quem é que nos percebe?

Quem é que nos percebe , a cada um de nós, sobretudo porque parecemos ter partes que pertencem ao outro, numa mistura que apenas serve para complicar ainda mais tudo? Umas com cérebro de gajos e uns com cérebro de gajas, puxa, assim é que não dá mesmo, se já passamos metade do nosso tempo a tentar descodificar informações e agora ainda chegam em duas línguas em simultâneo, quem é que aguenta? Por favor mais paz e amor. Mais entrega e paciência e menos cobranças, é que só temos esta vida, e não vale a pena guerrear por um quinhão de terra que nem sequer é nosso. Pessoalmente, e mesmo sendo de um sigo de ar, não gosto de pairar muito tempo lá por cima. Preciso de estabilidade, sobretudo emocional, as inseguranças e dúvidas dos outros desgastam-me. Já voltei a enterrar o machado de guerra, voltei à concha e fui-me restaurar. Preciso tanto, mas tanto das minhas energias, que nem conseguem calcular.  Os silêncios e a comunicação difusa trazem mal entendidos inevitáveis. Sem son

Bardacaca!

SO angry! Agora já sabem o que digo quando me pisam o pé! Olhem que é preciso muito para que me saiam umas asneiras boca fora, mas há dias em que na falta de eu poder dar uns berros, mando bardacaca e sabe-me, QUASE , tão bem.Quem é que consegue ter paciência para meninos? Que não sejam os filhos, claro está, os nossos e os dos outros, porque para homens crescidinhos e de barba, é que já nem a fazer bonecos. Também gosto do " vai-te encher de moscas ", esta uso quando estou com fraca imaginação, porque há quem diga que tenho muita e que até faço filmes, faço pois, o pior é que faço mesmo, sobretudo quando tenho o actor principal já escolhido e quando é um Romeu de esquina dá logo um filme mexicano. Pronto, já percebemos os dois que o que lá vai, lá vai, por isso chega de atirar bolas, eu nunca fui grande coisa no ténis de mesa, e bolas mesmo, mesmo, só das outras. Ehehe, hoje estou imparável, mas eu prometo que paro quando tu parares. Prometo que te deixo respirar sozin

Ser desconfiado!

Ser desconfiado, por si só, é um defeito e bem feio. Eu digo sempre que quem é desconfiado não é certo, mas quando os não desconfiados começam a desconfiar, ui, é porque vai mesmo correr mal. A sensação de desconfiança é extremamente desagradável, eu pessoalmente odeio-a, porque enquanto não tenho as devidas confirmações, não consigo sossegar e o mau estar instala-se. Juntem a tudo isto o facto de ser mulher e a combinação é terrível, porque não raras vezes, quando estamos a caminho de descobrir algo, encontramos mais 4 ou 5 verdades. Tudo poderia ser evitado se fossemos honestos e não andássemos a camuflar verdades que, cedo ou tarde, serão descobertas e desenganem-se os que pensam o contrário, a mentira pode até não ter perna assim tão curta, mas a dada altura cansa-se de caminhar sem destino. De boas intenções está o inferno cheio, por isso permitam-me discordar das "boas" intenções que sempre parecem vir embrulhadas em meias verdades. Uma verdade dita na hora

O que fazes com quem não faz?

Como se lida com quem não espera nada de si mesmo? Bem, isto é o que eu digo, porque às tantas têm apenas uma forma diferente de lidar com a vida, passando por cima de quem tenta andar por ela da forma certa. Mas que me faz confusão faz! Conheço umas quantas pessoas, ultimamente tenho a sensação de que estão a aumentar, que parecem andar neste mundo por ver andar os outros, ou pior, andam de uma forma tão estranha e tão pessoal, que mais ninguém parece ter importância. Será que acham, mesmo, que só têm a receber e que nada lhes será pedido? Por vezes apetece-me desistir e apenas ignorar que existem, porque não está escrito em lado nenhum, que estou aqui para lhes ensinar o que lhes cabe por direito. ou caberia se quisessem ter um bocadinho de trabalho que fosse. Eu esforço-me, juro que sim, por tentar entender que não somos todos iguais e que uns serão sempre os machos alfa, enquanto que a restante "matilha" apenas os seguirá, mas mesmo assim não me consigo

O Sexo e a Cidade!

A minha geração teve acesso a esta série estrondosa e cresceu com ideias bem vincadas sobre qual das 4 mulheres gostaria de ser. Lembro-me perfeitamente de achar, na altura, quando via os episódios, que tudo aquilo era fantasiado e que não existiam mulheres assim, sobretudo não existiriam em Portugal, naquela altura, mas se falarmos no agora... Bem, agora temos muitas Carries, Samantas, Charlotes e Mirandas, sem falar nos senhores Big que andam por aí, e o que nas décadas de 80 e 90 abundava nos Estados Unidos, mas que chegaram até nós com uma enorme força, para o bem e para o mal. A tão apetecida independência feminina, o poderem andar pela vida tal como os homens, tendo vários parceiros, apenas e só para sexo, usando-os e aprendendo com eles sobre as relações, parecia ser o Nirvana, perdoem-me a analogia, mas a verdade é que todos procuramos estados de libertação, quer física quer espiritual, no entanto, e porque somos feitos, homens e mulheres, de características espec

Estou a sorrir!

Hoje acordei assim, com um sorriso que não me sai dos lábios, com um ânimo muito próprio, e com um sol maravilhosos a acompanhar. Já corri, logo cedo, já dancei até transpirar e tomei o meu merecido duche, sem pressas, apenas eu, numa casa silenciosa, onde todos dormem tranquilos e felizes porque eu o proporciono. Tenho a minha gata em cima da mesa onde estou a trabalhar no meu novo romance, ultimamente tenho condescendido com ela e deixo que esteja mais por perto, que sejamos mais próximas, coisa difícil porque o nosso grau de independência é muito semelhante, mas ela entende-o. O sol entra por entre as cortinas e aquece-me o ombro direito, a paisagem que consigo vislumbrar da minha sala é fabulosa e basta para me encher a alma já cheia. Nem sempre nos podemos dar ao luxo de experimentar sensações de paz interior, de fecho e de recomeços, como se o mundo de repente se tivesse tornado claro, mas a acontecer, há que beber cada gota e é o que farei a partir de hoje. Ho

As músicas que apenas eu escuto e escolho!

                                                                                                  As músicas que apenas eu escuto e escolho , não precisam entender do que entendo, não têm que olhar para o mesmo lado, nem ver o que vejo, agora e sobretudo já não preciso que precisem de mim. Quando escolho as minhas músicas, sei que as vou dançar sozinha, à minha maneira, com as luzes suaves a beijarem-me o corpo que sei mover, acompanhando o som que chega e se me entra dentro. Já não sou a mesma nem poderia, porque a cada dia mais umas horas se acrescentam às minhas e passo a inalar mais um pouco de sabedoria, não porque queira saber mais do que tu, e do que tu, mas apenas porque agora já sou apenas eu a dançar as músicas que escolhi, a saber o que sei de mim. A sensação que precede o fecho, o fim, é tão quieta, tão natural e certa, que quase me sinto a flutuar. Estou tão livre que poderia saltar de um penhasco, e mergulhar num qualquer ma

O que é que nos seduz?

O que é que nos seduz ? Ser conquistada dá muito gozo, é um período onde vale tudo e no qual esperamos que o outro se supere. Vamos analisar cada pormenor, reparar até nos mais pequenos e dar importância ao que parece ter realmente muita. Nada mais influenciador de uma auto-estima em alta, do que sabermos que nos desejam, que fazem o que quer que seja para que possamos pelo menos devolver um sorriso. Lá voltamos à história do caçador e caça, mas desta vez a presa anda aos pulinhos de contente. O que nos seduz varia de mulher para mulher, obviamente. Para algumas serão os presentes caros, as idas a bons restaurantes, flores e o que o dinheiro do dito cujo puder comprar. Não deixa de fazer algum sentido, se não der em nada, pelo menos deu frutos. Para outras, serão as palavras doces, o ar de galã de cinema, gingão, com um olhar matador, de quem já viveu e sabe muito (acabei de sentir as costas a arquearem, acho que até me arrepiei em sítios que não sabia existirem, mas adiante

Mulheres difíceis!

Mulheres difíceis!   A avaliação por si só já é difícil, ou nem por isso, certamente que os homens terão muitos adjectivos para usar e as mulheres ainda terão bem mais. Vou referir alguns dos que considero, MESMO difíceis de gerir: . A indecisa - putz que por vezes até dói. É para comprar roupa, a que acaba a experimentar 3 mil vezes. É para se decidir a que horas começar, quando sair, o que fazer e como se organizar. É até para se certificar do que já parecia ser uma certeza. Pobre do homem que tiver uma mulher assim. . A picuinhas - até estou a suar só de pensar - " Eu é que sei ", é o seu lema de vida. Nada está bem feito se não tiver sido feito por ela, a melhor comida é, obviamente, a dela, repara até no que só estaria à vista de uma lupa, nunca relaxa e nunca para de argumentar. . A medricas - tem medo até da sombra, vê fantasmas dentro do armário, sonha, ou melhor, tem pesadelos sobre situações que não lembram ao diabo e nunca arrisca sair da sua zona

Happy wife, happy life!

As mulheres, que são sobretudo esposas e mães, têm um enorme papel no bem estar e felicidade da família, isso é um facto incontornável! Uma mulher feliz, realizada, de bem consigo, proporciona uma luz que todos acabam, inevitávelmente, por seguir. Ela, nós, sabemos como fazer acontecer, como planear e executar, mas, teremos, naturalmente, que ter conseguido o nosso próprio lugar na vida, porque uma mulher magoada, destemperada, com dores invisíveis, mas muito vincadas nela, provoca uma tempestade que nem o sol consegue terminar, e todos, mas mesmo todos à sua volta, acabam a sofrer, e sem fim à vista. Eu costumo dizer que uma mulher é o pilar de uma casa, e baseio-me sobretudo no exemplo próximo, o da minha própria mãe. Sempre que ela não está bem, e em todas as fases da sua vida, não apenas agora que é mais velha, o clã ressente-se e estremece perante a inevitabilidade. As mulheres vieram moldadas com uma força que não se explica, mas que nós sentimos, bem dentro e quando nã

Casar ou não casar?

Já estou a menos de 1 ano da previsão feita por alguém, na qual me casaria, MESMO , aos 50. E por  MESMO ela entendia uma enorme boda, com tudo a que uma mulher tem direito. Na altura acho que até lhe esbugalhei os olhos, acabando a rir-nos à gargalhada, todo o caminho de volta, eu e a minha amiga Sara. Ora então vejamos, aqui a Je, que em nova, quando supostamente deveria acreditar nos príncipes e nos castelos, nunca teve qualquer sonho que envolvesse vestidos de noiva, com ou sem véu, bouquets de flores da época e mais toda a parafernália de que é feita a boda, com muito antes e pouquíssimo depois, era aos 50 que amalucava. A acontecer autorizo já, publicamente, a que procedam ao meu internamento compulsivo. Pronto, já brinquei com a situação, agora vou falar a sério. O que me poderia afinal fazer embarcar numa decisão tão pouco entendível, pelo menos para mim? Um amor assolapado? Palavras bem usadas, daquelas que me impedissem de argumentar? A curiosidade, tardia, pera

Lugares públicos = excitação!

Lugares públicos = excitação ! NÃO obrigado. Não me atrai de todo, nem estimula a libido fazer sexo em lugares públicos. Chamem-me lá o que quiserem, mas eu não preciso de me expor ou de espicaçar a sorte, fazendo o que apenas aos dois diz respeito. Sim, também aí sou conservadora, dois é um bom número. Não vejo qualquer conveniente, é incómodo, impede-me de me soltar, fico mais mecânica, e desconfiada, por isso ninguém sai beneficiado. Há quem adore, e também quem o faça por falta de alternativa. Certamente que andam todos tão aborrecidos com o raio das suas vidas, que precisam de estímulos externos para se estimularem. Quando se é novo, sem lugar fixo para as tão desejadas quecas, que depois vão apelidar de monumentais, tudo mentira, ainda se entende, porque senão vejamos, por norma é num lugar minúsculo, desconfortável, em que se tem que tentar esquecer a dor do manípulo que se mete no meio, ou da perna que teima em adormecer, tenham dó, sexo até pode ser, mas como até para isso

Um desgosto de amor...

Feelme /Um desgosto e amor ...Tema:Sentimentos! Um desgosto de amor  é um desgosto de amor , e por vezes vem tão forte e avassalador, que nos rouba até a vontade de viver. O que fazer? Contrariar. Encontrar novos hobbies, procurar os amigos, fugir dos silêncios, caminhar, usufruir do sol (abençoado sol que ainda vamos tendo no nosso país), tudo e tudo que nos permita fazer o luto e continuar. Não existem fórmulas mágicas, mas o que já vamos sabendo, é que as dores dos amores quebrados nos trazem doenças associadas, e não apenas do foro psicológico. Cuidado com a forma como escolhem olhar para quem vos "deixou", é aí que reside a meia cura. Nada de nos lamentarmos, de arriscarmos o foco no errado, no que deixámos por dizer ou fazer, ou até no que fizemos em demasia. O passado está lá mesmo, no passado, e nada do que fizermos, agora, o poderá mudar. Vai daí, mudamos cada presente e antecipamos cada futuro, dia a dia, porque cada um será mais um bálsamo para a nossa cura

(In) felizes para sempre!

Tenho um amigo com um casamento tão perfeitamente perfeito, que as quintas-feiras servem para o aperfeiçoar ainda mais, quando tem os alegados jogos com o grupo de sempre, jogos que incluem a não menos perfeita amante de longa data, também ela num casamento de uma perfeição que até dói. Quando os respetivos estão em público, amam-se e respeitam-se para além de qualquer dúvida. Todos nós ao redor ficamos em tal transe, que quase voltamos a acreditar, piamente, na instituição casamento. Alguns, obviamente que para manterem tamanha perfeição, vão precisando de algumas injeções de ânimo, por isso dão uns assaltos a "capoeiras" alheias, provocando no percurso os galos dominantes, acham eles, e arriscando a que se decidam a terminar com a perfeição de todos os perfeitos. A amiga da minha melhor amiga já desistiu de se mostrar perfeita, pelo menos para algumas de nós e sempre que lhe permitimos, porque temos que estar em sintonia, vai-se escapulindo da gaiola, tudo me

Life sucks sometimes!

Life sucks às vezes sim, mas temos que a engolir assim mesmo, como se fosse um remédio bem amargo, mas com uma qualquer bebida açucarada, o palato restaura-se e pronto, que venha a próxima! Será que a vida é imprevisível? Não me parece, porque recebemos sempre o que damos e na maioria das vezes numa proporção assustadora, porque ela cobra-nos e arremessa-nos com toda a trampa com que a fomos presenteando. "Cá se faz..." e que ninguém duvide. Quando sabemos o nosso lugar, quando estamos disponíveis e atentos, quando semeamos na época certa, cuidando do solo, regando e fertilizando, a colheita será proveitosa, mesmo com os temporais pelo caminho. O contrário, o desligar do que aparentemente não é problema nosso, trará mais tempestades, com raios e inundações à mistura. A vida é aproveitar ao máximo cada pedacinho de cor e de luz. Olhem que dia maravilhoso está hoje. Quantas vezes já olharam o céu, ou aquela montanha próxima, ou monumento pelo qual passam tantas vezes sem v

Tiques pequenos e grandes!

Tiques pequenos e grandes .   A forma como estamos com os outros, ou apenas connosco, nem sempre é algo que nos faça pensar, mas a verdade é que a qualquer momento alguém estará por perto para o analisar. Por norma sou mais metida comigo quando circulo pelas ruas sou eu mesma, sem ver ou sentir quem quer que seja, estou no meu mundo, seguindo um plano, mas fazendo muito pouco caso dos que estão. Não porque não me interessem, mas porque também preciso de momentos apenas meus, daqueles em que não terei que ser questionada, em que os olhares, venham de que lado for, me tocarão muito pouco e importarão ainda menos. Hoje diziam-me, bem cedo, que ontem eu caminhava qual sonâmbula, sem ver, nem sabendo que estava a ser vista, com uma aura, dourada, impenetrável e que queimava. " Deixem passar quem vai na sua estrada. Deixem passar Quem vai cheio de noite e de luar. Deixem passar e não lhe digam nada. Deixem, que vai apenas Beber água de Sonho a qualquer fonte; Ou colher

Feelme!

Somos e seremos sempre 3!

Estamos juntas há tanto tempo, que já nem consigo separar-nos do que quer que seja. Vi nascer os filhos da Ana, fui dama de honor da Bela e mantive-me próxima de ambas, mesmo não tendo casado, até quando teriam que satisfazer os vossos compromissos familiares. Afinal o que construímos foi uma família paralela, sem laços de sangue, mas bem mais intensos e inquebráveis, como já o percebemos todas. Adoro as nossas noites de cocktail e chocolate. As lamechices. Os choros sobre tudo e sobre nada. Os pensamentos que não ousamos partilhar com mais ninguém, nem com os "nossos". Adoro que nos adoremos desta maneira e que nos saibamos manter, para além dos dias que são desenfreados, e completamente loucos, mas que pequenos telefonemas rapidamente resolvem. Vocês sabem quem amo e não tenho coragem de incluir. É com cada uma que me solto e vou atrás dos projectos mais arrojados, mas é comigo que sabem poder contar, quando as vossas casas ficam demasiado cheias, quando mais

Para o amanhã!

Ficará o que o amanhã me reservar, sem demasiados planos, mas com todos e cada um delineados, não para o tempo, mas no espaço que estou a criar para mim e para os meus. Já sei como se vive mais no presente. Já sei de que forma posso usufruir dos que chegam até mim, sem querer antecipar se me desiludirão mais tarde, o que me importa verdadeiramente é o que me conseguirem passar no momento em que nos estivermos a partilhar, tudo o resto serão sempre e só ilusões. - Nada é eterno - dizem-me alguns - eu recuso a perspectiva, porque o amor que criamos, as pessoas que passam a estar dentro de nós, mesmo que não de forma permanente, jamais voltarão a sair, a nossa escolha passa pelo que queremos que nos inflijam, se dor, se prazer, se saudade, ou se tudo misturado num cocktail perigoso, mas de sabor irrepetível. Para o amanhã deixo o que o amanhã decidir, já controlo muito pouco, mas aprendi que posso projectar o que preciso que me chegue. Posso ser de espírito elevado. Posso cr

Resto eu!

                                             Terei que ser primeiro eu  a não me deixar desiludir, a procurar o que me faz falta, a ir até onde me levar o corpo e a coragem e a tentar, tantas vezes quantas precise, até conseguir. Ninguém estabelece os meus limites, ou sequer define o que preciso de produzir diariamente, quando paro ou arranco, se desisto ou se simplesmente espero que acalme. Resto eu para ser da forma que consigo, sabendo que nada me impede do que tanto me esforço para ter e mesmo sendo uma posição solitária e tendo todos os riscos por minha conta, acabo a saborear um sabor amargo e doce, acompanhado de um misto de alegria emergente, a que me vem porque sou assim, porque sei do que preciso para me auto motivar e de vazio que sempre resta aos que não se misturam o bastante. Estou TÃO mais tolerante e paciente com os que não têm a minha velocidade, tentando que se mudem, tal como o fiz, para que possam saborear a felicidade que acompan

Senti-te!

Estavas lá, estiveste o tempo todo, enquanto me contorcia numa dor que apenas tu poderias ter atenuado, se a tua presença tivesse sido física, mas o que tive foi a sensação de ti, o olhar que se pousava na minha nuca, o som da voz que me martelava o cérebro cansado. Estavas lá, comigo, até quando tive vontade de desistir! Tal como um raio nunca cai duas vezes no mesmo sítio, nenhuma relação se restaura, não outra vez, perante a incapacidade de nos envolvermos o suficiente para que possamos estar realmente quando fazemos falta, quando o calor dos nossos corpos eleve o outro e o devolva à vida. Quase que a voz não me saía, quase que o que diziam os outros não me chegava, ou vinha de modo distorcido, com movimentos de lábios que não acompanhavam o que precisava de saber, de quem me iria apertar forte e soprar ao ouvido - estou aqui meu amor, já estou aqui - não seria preciso mais nada, não teria que chegar mais ninguém, bastarias tu e o resto do mundo voltaria ao lugar cert

Incrível a falta que me fazes...

Incrível a falta que me fazes , a vontade, quase animal de te querer. Incrível como uma simples música me põe ao teu lado e me deixa sentir que te sinto, tão dentro de mim que poderia jurar estar a ter-te, neste preciso momento. Nunca tive o suficiente de ti, nunca me consegui cansar do que me deste, nunca estivemos, um no outro, o bastante para que pudesse ter acumulado alguma energia, usando-a em dias como o de hoje, em que preciso, REALMENTE, de te tocar, e onde o medo de me deixar enlouquecer, de me rasgar de dor, e a falta de ti me atormenta e me prova o quanto ainda sou humana e continuo a amar-te. Não falo com ninguém, não me atrevo a permitir que questionem a minha sanidade, e que me atribuam uma fragilidade da qual afinal também sou feita. Não mostro, não pestanejo mais acelerada, nem fico mais inquieta exteriormente, tudo o que sinto, em momentos assim, vem de dentro e volta para dentro à mesma velocidade, revolvendo-me as entranhas, abanando-me com uma força invis

Cuidar dos outros!

Ser disponível, dar do nosso tempo e vontade aos outros, cuidando para que estejam bem, trás reveses, mas também nos ensina muito sobre o egoísmo, ou a falta dele! Sou cada vez menos centrada em mim e na minha pequena família, a que está aqui por casa e da qual conheço cada passo, vontade, movimento ou acenar de cabeça, e por vezes, não sem algum custo, abro-me aos outros, deixo-os entrar e fazer parte de nós, mas nessas alturas todo o meu Universo fica completamente revolto e nada do que planeio, sempre com tanto cuidado, se encaixa. Sou "forçada" a abrandar, ui e quando abrando até dou choque. Escuto mais, presto atenção, dou conselhos, ou demito-me simplesmente de opinar sobre o que não entendo nem aceito, para não chocar, para parecer contida e fazendo um esforço sobre humano para não explodir. Nestas alturas tomo consciência do meu grau de exigência para com os outros, e de como me tornei quase eremita, gostando de estar no meu cantinho, onde coordeno e não me d

Acham que adianta?

Acham que adianta sermos amargos, com passados mal resolvidos, apontando as baterias e disparando todas as balas de forma aparentemente certeira? Não me parece, porque o ontem pode voltar, o nosso chão pode deixar de ser firme e rapidamente podemos precisar de quem parecia estar definitivamente arrumado! Porque é que acontece? É simples, acontecerá sempre e de cada vez que precisarmos de rever as lições. Quando não tivermos tido resultado nas provas, ou simplesmente tenhamos feito batota. Nessas alturas, o mundo virar-se- á ao contrário, alguém parecerá ter carregado na tecla do rewind e voltaremos à estaca zero. O que fazer? Analisar, perceber, mudar e aprender a ser para os outros o que precisamos que sejam para nós. Não se iludam com o dinheiro, o estatuto, a altivez natural, os milhões de "amigos", porque no final, quando tudo for realmente importante, saberemos quem está MESMO para nós, nos estenderá a mão e não apenas de forma simbólica. Já ouvi muita gente diz

O teu prazer no meu!

Estava mais do que acertado, estaríamos apenas nós, sozinhos, tendo-nos completamente num fim de semana que usaríamos para nos amarmos mais, muito mais do que o habitual, até porque a fazê-lo ainda mais especial o facto de ser o meu aniversário. A distância ditava que fossemos criativos, que nunca parássemos de cuidar dos detalhes, por mais pequenos que fossem, porque nunca nos bastavam as horas, mesmo que longas. Nada do que nos déssemos poderia preencher todos os outros momentos de dor absoluta, infligida pelo distanciamento, pela impossibilidade de estarmos sempre um com outro e de resistirmos à falta de toque, que a acontecer parece conseguir compensar tudo o resto. Eu sabia que tinhas um desejo, que algo do teu passado te deixara uma marca e como tudo o que faço é contigo e por ti, decidi surpreender-te. A tua vida como militar, durante o período em que completaste a tropa obrigatória, deixara-te prazeres que não te cansavas de repetir, mas infelizmente tinhas perdido a t

Sabes o que importa realmente?

Quem teve razão, quem fez o certo ou o errado, quem começou e terminou, será que importa mesmo?Quando perdemos ambos, as palavras acabarão a valer o que valem, NADA! Já sei que não fiz o que era suposto, que não fui submissa como deveria, porque a força que nos reconhecem, a nós as mulheres, só é desejável nas dos outros. Eu não me enquadrei, era mais do muito que poderias aguentar, sabia e entendia demasiado, não aceitava os "sim" só porque te saberia bem e não largavas os "não" por ter acordado do lado errado da cama. A minha consistência na forma de sentir é o que me mantém firme e me guia os passos, porque não posso ceder aos balanços da estrada. Agora, sinceramente, não importa como começou, nem como terminou, porque a luz já está tão ténue, quase que apagada, esperando por tudo o que nunca parei de esperar, sabendo que o que sei é o que me levará até ao lugar que já vi antes e para o qual voltarei, porque o quero de volta. Já tive o teu coração