believer in shade believer in silence and elegance believer in ferns believer in patience believer in the rain —  W.S. Merwin, from “Empty Water” in The Rain in the Trees, (Knopf; 1 edition, March 12, 1988)


Raios que partam os amores não correspondidos, porque são eles que nos forçam a dar demasiados passos atrás, questionando tudo o que já tinha sido avaliado e passando a olhar de lado para os que arriscam aproximar-se. 

Quem é que se lembra de culpar o desamor quando o amor nos foge? O que nos mata não é o muito que nos querem, mesmo que pareça demasiado. O que nos mata é a morte lenta a que nos condenam quando nos impedem de receber o que estamos prontos a dar.

Como se cura o desamor? Com muita paciência e não desistindo de tudo aquilo que nos compõe, porque nem sempre seremos nós a falhar, por vezes seremos apenas um prato demasiado cheio. O desamor é a reacção natural de quem não consegue legendar o que ouve. Não basta querer para que se consiga dar na proporção do que precisa quem parece precisar de nós. O desamor é a fuga para a frente e a única defesa de quem não quer ser magoado, por isso magoa primeiro.

"Desamem" os que amam demasiado. Recusem o que vos deixará frágeis e nas mãos de quem não saberá o que fazer com elas. Desarmem-se as barreiras que resolvermos baixar, porque apenas elas nos poderão proteger de quem "desama" mal começa a amar intensamente. Proíbam-se as palavras enganadoras e desenganem-se os que acreditam bastar amar para que o desamor não se instale. Aprisionem-se os que mantêm presos, com muito pouco ar que valha a pena respirar, quem só queria poder aspirar amor, devolvendo-o. Encontre-se antídotos poderosos que nos salvem do risco que corremos quando arriscamos amar e ficaremos todos a salvo, mortos, inertes e vazios, mas sem qualquer dor que valha a pena referir...

0 Comentários