Hearts


Quando nem o que gosto mais de fazer me sai. Quando o respirar se agudiza e a vontade de sentir vontade de alguma coisa se arrasta, viver, como o entendo e gosto, passa a ser uma tarefa penosa. 

As mães sentem a dobrar e desdobram-se em amores, desejos, vontades e sonhos contraditórios, porque o muito e o melhor dos nossos, passa algumas vezes pelo menos de nós. Os filhos não nos pertencem e a nossa tarefa passa por os encaminhar, dirigir e motivar, o nosso coração, esse, vai ter que se adaptar aos ritmos e bater mais ou menos intensamente, mas aguentando cada embate. As mães que têm a forma certa de olhar, que é para o presente que as envolve mais com as crias, mas antecipando o futuro que lhes cabe, vão certamente acabar por serenar o coração e aceitar que serão sempre o colo e a casa para onde voltarão para repousar, mas que as suas viagens terão que ser empreendidas. 

O coração de uma mãe deixa de bater de forma coordenada mal passa a fazer bater outro coração, mas mesmo que seja assustador, certifica-a de que não poderá existir outra forma de estar viva.  

0 Comentários