David Terrazas Photography


Do que adianta estar com outra pessoa, se ainda és tu que me enlouqueces e deixas a fervilhar por dentro?


Água e azeite, assim somos nós, não nos conseguimos misturar e um acaba a sobressair mais do que outro. Não fomos feitos para estar juntos, não conseguimos acertar em nada, apenas amamos da mesma forma, com uma paixão desmedida, lutando para que tudo o resto continue se não estivermos por perto. Somos uma ilusão, não conseguimos estar na mesma hora, nem no mesmo lugar, a querer as mesmas coisas, mas os nossos corpos desejam-se muito para além da nossa racionalidade.

Não vou voltar a tentar estar com um outro a quem não consiga chamar pelo nome, porque é a ti que eu amo, porque é em ti que penso quando me tocam, é o teu sorriso que vejo e se fechar os olhos, sinto o teu cheiro, misturado com o prazer que me passavas. Não vou arriscar, tão cedo, ouvir o que deveria sair dos teus lábios, os mesmos que me beijavam até quase deixar de sentir as pernas.
Não estou pronta, ainda, para te deixar ir, quero alimentar-me um pouco mais do que representas, mas que até sei que não podes manter.

Chamem-me masoquista, digam-me que gosto de me fazer sofrer, já sei isso tudo, mas ainda não sei como te resistir, como te afastar e arrancar o poder que exerces sobre mim. Não sei como posso ter o meu corpo de volta.





Do que adianta querer olhar para outro lado se afinal estás em todos?

1 Comentários