affection, blur, close-up


Sei que não me portei bem. Parti, calada, levando comigo todos os medos que se me colaram quando me falaste de ti, dela, de vocês. Mas tu és muito mais do que o passado que viveste e foi errado deixar-me envolver pelo que nunca terei forma de conhecer. Se é comigo que estás, é a mim que queres. Eu sinto o teu amor de cada vez que me olhas. A minha pele arrepia-se sempre que me tocas.  Eu sei que sou eu, mas sou mulher, penso demasiado e...

Não tenho o que insistes em chamar de fantasmas. Não existem gavetas mal fechadas. Tudo o que me atormentava já partilhei contigo. Estou lavada por dentro e capaz de te seguir para outro planeta, se souber que é mesmo comigo que queres ficar, sem sombras e sem passados.

Andavas tão feliz e eu atormentei-te. Ando às voltas no carro e nem sei para onde devo ir, se é que estou a ir para algum lado. Se te perder perco-me e nunca mais volto a ser eu. Tenho que parar com as incertezas e aceitar que chegaste porque me fazias falta.

Liguei-te e o som da tua voz era de genuína preocupação. Querias saber o que tinhas feito, mas na verdade não fizeste nada, nem poderias, porque me tens dado tanto. Voltei até a ti, estavas no mesmo lugar e o teu olhar aflito quando cheguei parecia perguntar-me, com algum desespero, se iria desistir de ti.

- Perdoa-me meu querido, por favor, não quero fugir de ti, estou apenas confusa com o meu desconforto. Diz-me, repete-me todas as vezes que conseguires, que é comigo e por mim que estás.

- Minha tonta linda, mas o que preciso de fazer mais para te convencer?

O abraço foi tão forte que senti os meus ossos cederem, mas não de dor, não como me doeria perder-te. Não vou voltar a fugir, teremos que ser os dois a resolver, juntos, tudo o que nos ensombrar, não há outra forma. O beijo que te dei certamente que te confirmou que estou para ficar. Agora estou!

0 Comentários