Imagem


Quando a resposta inevitável é o não, ficas sem muitas mais opções e resignas-te, na maioria das vezes, à sua inevitabilidade. Sabes quem és, porque fizeste o trabalho de casa e recusas mudar uma vírgula à tua condição, sabendo que mal fraquejes te irás arrepender, irremediavelmente.

Tenho que dizer-te que não e faço-o sempre com um olhar determinado. Dizes que não entendes, mesmo que te sinta o medo e que a nossa envolvência nos remeta para a recusa de ambos. Eu porque sou a mais determinada e tu porque te assusto, sei que sim e nem preciso de o ouvir de ti. Aprendemos ambos que não podemos ter tudo o que desejamos e mesmo que lutar seja opção, por vezes a batalha é totalmente perdida. 

Gostava de poder apenas ir, sentir e decidir. Gostava de saber que me bastaria gostar para que tudo fosse natural e fácil. Gostava de arrojar e fazer o que nunca me permiti antes, mas talvez não goste o suficiente de quem aparentemente gosta de mim para que a aventura comece. Gostava de não me julgar tanto, até porque o que tenho dentro me grita que o caminho, por agora, passa por ti...

Não fosse a gravidade a puxar-me, impiedosa, e talvez até que me elevasse, bem alto, para ver mais e melhor. Não fosse a metade mais importante de mim a vergar-me, e deixaria que a minha coragem me provasse certa. Não fosse já estar bem para lá do tempo dos outros e até que recuaria para viver apenas este, saboreando o que me deveria ser permitido, porque certamente que o mereço. Não fosse também eu ter medo e ficarias a saber que já sei o bastante para que a viagem possa começar!


0 Comentários