Nem toda a gente entra na nossa vida para ficar, no entanto já aprendi a valorizar cada uma. A perceber o papel que desempenham no meu percurso, porque chegam sem pedir e porque me fazem sentir tão especial apenas para depois me deixarem.

Ainda me consigo lembrar da primeira vez que te olhei de frente, sem obstáculos, sem mais ninguém a importar, apenas nós, durante o tempo que precisámos para nos vermos mesmo e para nos podermos tocar quando o coração parecia já não aguentar. Os teus olhos entraram tão dentro de mim, e percorreram cada pedaço do corpo que tantas vezes ansiaste ter, foste tão tu que quando me tocaste não estranhei nada e soube que te reconheceria em qualquer parte do meu mundo.

Tudo dura o tempo que é suposto, vou aprendendo essa lição valiosa e continuo à espera e a querer que um dia chegue lá, até ao lugar onde já nada será novo, onde eu e tu, quem quer que sejas, conseguiremos falar sem palavras, sentindo de igual forma e fazendo do outro a prioridade. Tudo o que é nosso a nós virá e permanecerá pelo tempo que o conseguirmos manter, nem um segundo mais.

Nem sempre recebemos quem fantasiámos, talvez porque não existam, não no nosso formato. Nem sempre estamos prontos para quem afinal chegou, pondo um certo à frente de cada caixa de pedidos. Nem sempre nos entendemos para entender quem seríamos na vida um do outro. Nem sempre o amor basta e por vezes não basta querermos que o amor nos restaure o que outros danificaram.

0 Comentários