Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2019

Quando chamo o teu nome...

Quando chamo o teu nome por estar perdida no caminho que eu mesma criei, mas já sei que não vou ter resposta. Quando choro por me sentir sozinha, mesmo que estejas comigo, porque estarás sempre,o vento passa a soprar mais forte e o coração a bater descompassado. Quando chamo o teu nome a vida deveria passar a ser mais fácil, até quando percebo que já não estarás de volta. Quando sorrio sem razão, mas tendo-te em cada uma, tento voltar ao tempo em que não contava o tempo, porq ue estavas sempre aqui. Quando percebo que estou errada e que estiveste sempre certo, chamo o teu nome e peço que me perdoes por não ter resistido à chuva intensa. Quando me lembro de como me empurravas para as minhas certezas e acreditavas em cada sonho empolado, quase que me perco de mim e do que deixei por fazer. Quando te peço que me abraces, em pensamento, porque já nem sei se saberia qual o sabor dos teus lábios, sento-me no chão do meu desespero e arrependo-me do que não fui contigo. Quando

Recordações...

Recordações . Momentos que foram apenas nossos enquanto era eu contigo e tu estavas verdadeiramente comigo. Recordações de quando nos dizíamos o que nos mudava o dia e permitia que todos os outros corressem num desespero bom, porque já sabíamos que nada terminaria sem que nos voltássemos a tocar. Recordações do amor prometido e dos beijos antecipados enquanto sofríamos com o afastamento que nunca nos afastou enquanto estivemos longe. Recordações da tua falta que me doía fisicamente e de saber que no final de cada tarefa cumprida estarias à minha espera e a amar-me como sempre acreditei merecer. Recordações que já fazem parte de mim e às quais recorro de cada vez que me pergunto se deveria ter sido assim, se todas as partes de mim precisariam mesmo de precisar de ti todo, esquecendo o resto do mundo enquanto te abraçava. Recordações que terão que te incluir, porque amar-te fez-me acreditar outra vez. Recordações que revelam as cores que insistia em pin

Livres para amar!

A minha liberdade  e a tua vem passando também, e bem mais do que tudo o resto, pelo amor que sabemos acumular, deixando-o nascer e desenvolver como se de um filho se tratasse e espalhando-o como uma era verde gigante, para todos quantos o conseguirem ver e aceitar.  A minha liberdade , tal como a tua, está na capacidade de receber o que tão a custo me passaram. O respeito pelo que sou, pelo que sonho e quero para mim, não descurando quem também anseio e preciso de ter ao meu lado.  A minha liberdade , a nossa, tornou-se tão adquirida, que por vezes me esqueço de lembrar o que já nos faltou e o quanto, porque agora vou onde quero, sou o que decido construir e chego onde o meu coração mandar.  A minha liberdade  permitiu-me escolher-te, tendo-te nas escolhas que fizemos ambos, amando-te,  livremente  e sentindo que serás o que eu for e que estaremos, da mesma forma e com os mesmos direitos. Gosto  de gostar de ti assim,  livre , sem grilhetas emocionais, apenas eu mesma com tud

Momentos e pensamentos...

Estou fascinada com o tempo, pronto, é assumido. Correr é o que tenho feito e quase que arrisco dizer que não o vou deixar de fazer, mas desacelerar passou a saber-me tão bem, que passei a contar cada minuto do meu tempo. É tanto o que já deixei passar e são tantas as pessoas que já estiveram na minha vida, mas que partiram, que o tempo me merece imenso respeito. Os momentos de alegria intensa que se colaram, mas que também se esfumaram com o tempo, forçam-me a perceber que importante é o que tenho, e vivo, e sinto, e sou capaz de passar. Estou fascinada com o que já não está mais aqui, mas pratico o desapego diariamente e sei, melhor hoje do que no meu ontem onde era afinal tão imberbe e pequena, que ter a capacidade de escolher ser eu e no meu formato me dá a liberdade que ninguém rouba e a paz que ninguém quebra. Estou fascinada com o que me fascina, mesmo e até com o mais pequeno, porque na realidade significa apenas que estou mais viva do que nunca

As primeiras palavras...

Começar com as primeiras palavras do que passará a ser uma história para ficar, deixa-me com uma sensação de poder e com o bichinho do incerto e do desconhecido. Não sei o que vai acontecer e até onde me vou levar. Não sei o rumo, mesmo que o tenha imaginado e sentido, porque na verdade, do nada, tudo pode passar a ser diferente. Não sei de onde me vem a inspiração, nem o que me insufla as veias criativas, mas ser capaz de me pôr em palavras é um mistério que pretendo manter. Se ao menos o sonho tivesse forma de galgar as paredes invisíveis, permitindo-me viver em pleno o que para mim é mais do que real. Se ao menos a minha própria história pudesse ser escrita na íntegra por mim à velocidade dum romance. Se ao menos já tivesse como apenas usar e abusar de cada uma das palavras de que me alimento, sem prazos, nem paragens desnecessárias. Se ao menos a minha estabilidade já estivesse para lá da emocional... Não sei exactamente quem sou quando me desvendo nas teclas e deix

Se tens que me deixar, deixa-me já!

Se tens que me deixar ,  quero que o faças de forma suave, a não permitir que te sinta a falta e por isso terás que deixar-me já.  Deixa-me  bem antes de todos os sabores que cada beijo nos cola.  Deixa-me  bem antes da minha pele se envolver na tua, soprando-me o cheiro que reconhecerei em qualquer canto do mundo.  Deixa-me  bem antes de adormecermos, envoltos num sonho comum e num acordar real.  Deixa-me  bem antes de me deixares no lugar onde ficarei apenas eu, sem saber como sair e sem saber como me retomar.  Deixa-me  bem antes de te poder ver partir e por isso terás que partir já.  Deixa-me  bem antes de precisar de te implorar que fiques.  Deixa-me  bem antes de me veres derramar as lágrimas que nos lavarão a ambos um do outro.  Deixa-me  por não poderes e por não seres capaz. Se tens que me deixar, deixa-me já .  Se  não fores capaz de me prometer o que já te prometi, não fiques nem mais uma hora, porque de contrário serei incapaz de te resistir...

Sem ti...

Que parte de mim cabe em ti e que parte de ti necessita  mesmo  de mim? A vida por vezes teima em correr a uma velocidade estonteante, impedindo-nos de a acompanhar, mas fazendo-nos perceber, em cada etapa, que ou a seguimos e nos adaptamos, ou desistimos com todos os prejuízos que advêm daí. Estar em ti, aceitando o que carregas já me assustou, mas agora, do que tenho mesmo  MEDO  é de não te poder manter, aqui, no lugar que preparei e adaptei aos dois. Não mudei de ideias, não passei a ser, de repente, corajosa, mudei de postura, passei a relativizar e a entender que tudo será possível desde que sejamos emocionalmente possíveis. Sem ti  quase não me reconheço, e cada um dos desejos que mantinha, de sucesso profissional, de auto-conhecimento e até de viagens de descoberta, ficam sem sabor ou interesse.  Sem ti  sei que não desisto e continuo, mas não pode ser igual, não agora que tudo o que deveria ser feito já foi, e não agora que percebi o que vieste fazer à minha vida

Tenho medo...

Tenho a cada dia mais medo da eventualidade de deixar de ser eu ! Não quero ter que deixar de querer para encaixar o que querem os outros. Não quero deixar de poder e ter que esperar que queiram por mim. Não quero dar trabalho e deixar de ter trabalho, sobretudo mental. Não quero que me direccionem e forcem a ver de outra forma, tudo o que fiz até hoje levou muito do meu empenho e tempo. Não quero deixar de ser a que cuida e resolve. Não quero que o amanhã chegue demasiado rápido, impedindo-me de estar preparada e pronta para o que me espera. Não quero pensar na minha humanidade e fraqueza ascendente, toda a vida me conheci forte e determinada, por isso continuo determinadamente a não querer que queiram o que quer que seja por mim. Tenho medo , é um facto, de ter que parar de resistir e simplesmente desistir de lutar!

Será que entendes os recados da vida?

Desconfia de tudo o que te chegar com demasiada entrega, com muitos sorrisos e com um reconhecer exagerado de tudo o que representas. Desconfia de quem te ama só porque sim e te quer como se fosses a última bolacha do pacote. Desconfia dos olhares embaciados e das palavras que querem parecer dizer mais do que todas as que ouviste antes. Desconfia de ti quando decidires confiar demasiado. A vida dá-nos recados , chama-nos constantemente à atenção e prova-nos, mesmo quando recusamos admitir, que ninguém nos pode querer muito se não nos souber aceitar e respeitar. Ainda vou ficando incrédula perante a capacidade que algumas pessoas têm de prometer o que sabem nunca poder cumprir. Não as consigo classificar nem ler, porque usam palavras aparentemente tão sábias, que me custa perceber que afinal não sabem de nada. Não sei que propósito nos serve termos que nos defrontar com quem não nos poderá acrescentar mais nada para além da dor, da vergonha perante o irrealismo a que nos entr

Onde estão as garantias reais?

Quem é que nos pode garantir, com toda a certeza, de que vai mesmo tudo correr bem? Ninguém, mesmo que o façamos nós pais à nossa prole, confiando que teremos como resolver o que os assustar tal como quando eram meninos! A falta de garantias motiva alguns e desacelera outros tantos, porque andar sem rede, não vendo sequer o chão, é tarefa para sobreviventes e corajosos. A incerteza perante o que até julgávamos certo, muda os ritmos e faz-nos regressar atrás vezes sem conta, contando outra vez apenas connosco numa vã tentativa de não nos desiludirmos. Onde estão as garantias reais de uma vida que só parece fazer sentido se for inundada de amor? Não temos manuais. Não conhecemos os melhores caminhos e nem sempre os trilhados pelos outros nos servem. Não falamos a mesma língua na maioria das vezes e nem sequer usamos os mesmos sons ou gestos. Não sabemos como rebobinar e recomeçar, ou fazêmo-lo de forma acelerada e pouco calculada. Não vamos com medo de ter que ficar e por