Não lamento a falta dum amor, já não, porque na verdade não é qualquer um que me serve. Não fico triste pela falta dum abraço e que bem me saberia ser abraçada, com sentimento e entrega, mas a não poder ser dado pela pessoa que antecipo perfeita para mim, abraço-me diariamente, cuidando do que me mantém emocionalmente acompanhada. Não espero, nem mais um dia, por quem irromperá pela porta que até fechei, não à chave, mas para que me proteja do frio do mundo. Não sei qual o sabor dum beijo dado com uma boca que se encaixe na minha, mas ainda não me esqueci de como se beija. Não me deixo derrubar por fazer o caminho sozinha, quantas vezes à chuva, porque já sei o que sinto quando o sol desponta. Não desisto do amor, até porque é sobre ele que escrevo e alimento tantos corações vazios, mas parei de parar os meus sonhos apenas por serem no singular. Não lamento a falta dum amor, não por ora e não porque já fui muito amada e amei na proporção do que esperava ser para sempre.
Não tenho medo de não "te" voltar a encontrar, perder a capacidade de amar e encontrar amor em qualquer lugar e pessoa é que seria verdadeiramente assustador!

0 Comentários