A minha vida é minha...

24.7.20


Isto de andarmos na nossa vidinha a sermos apenas o melhor que determinámos, regra geral colide com os que entendem ser ainda mais importantes do que nós, exigindo o que já não pretendemos dar. O egoísmo veio para ficar. A resistência à mudança leva a que muitos não mudem uma vírgula aos seus comportamentos abusivos. O foco no "eu quero", "eu preciso", "eu isto ou aquilo", não se coaduna com quem já está uns degraus acima e que apenas vive, deixando viver.
Precisamos todos uns dos outros? Sim, é um facto, mas daí a acharmos que nos basta precisar para sermos de imediato socorridos, lamento desiludir, mas isso funciona apenas com as crianças. Cada um de nós tem o direito ao seu Vortex, à sua zona de protecção onde recarrega baterias e onde consegue ser simplesmente o que vê reflectido no espelho da alma. Conquistar lugares com os quais nos identificamos demora o seu tempo e por isso mesmo deve será amplamente respeitado e entendido.
Isto de termos uma voz, uma posição e uma aura com cores definidas, tende a colidir com quem não parece ter coisa alguma, não por falta de capacidade, mas por simples preguiça mental. Isto de dizermos, vezes sem conta, o que somos, como somos e quando poderemos ser de outra forma, apenas para realisticamente continuarmos a viver em sociedade, mas sem resultados, cansa, esgota e resulta em total desapego.
Embora lá fazer formações frequentes em humanidade e singularidade, é que apenas na igualdade seremos saudavelmente diferentes!

Publicar um comentário

Feel Me © . Design by Berenica Designs.