Avançar para o conteúdo principal

Será que?



Será que ainda te lembras do que tinhas antes, a total liberdade nas escolhas e o estar onde, quando e com quem quisesses? Será que tens noção do poder que carregavas, sempre e de cada vez que ias e voltavas quando muito bem te apetecesse, mas ainda assim ficavas no mesmo lugar? Será que já olhas de forma consciente para os inúmeros abraços que podias ter dado, mas que desvalorizaste? Será que te bastam os momentos ao telefone e as mensagens que atiravas sem demasiado cuidado, mas que agora são pouco mais do que te resta?

Nunca se falou tanto em afectos, em demonstrações intencionais e sentidas do amor que julgámos estar sempre lá, no nosso formato e disposição. Nunca quisemos tanto querer, abraçar, cuidar e olhar nos olhos. Nunca nos sentimos tão sós e incapazes de simplesmente escolher o que ser e fazer.

Já é uma história mais do que antiga, a necessidade da perda para a posterior valorização. Só reconhecemos o que não podemos ter, porque só teremos o que nos permitir a vida, mas será que mudámos alguma coisa e nos prometemos o diferente? Permito-me duvidar, porque mal passe a tempestade, a aparente bonança levará para bem fundo da nossa curta memória, o que tanto nos custou. Foi-nos dada a possibilidade de reavaliar, mudar, usufruir, cuidar e dividir, mas tenho sérias dúvidas quanto à noção colectiva da necessidade de fazer diferente e melhor. Contino a esbarrar em muito conformismo e distanciamento emocional, porque só nos lembramos de Santa Bárbara quando troveja, mas mal o sol irrompe... 

Será que já pesaste e mediste bem o que eras e fazias antes do mundo se virar ao contrário? Se a resposta for um não peremptório, o meu conselho é que te apresses, porque a vida não espera pelos indecisos e porque o mundo será sempre maior do que o teu "quintal", por consequência estarás e serás susceptível à sua vontade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Onde fica a tua casa emocional?

Que lugar te deixa de alma serena e livre do peso do mundo? Por vezes gostava de poder voltar a " casa ", aquela onde estavam todos os que me deram motivos para viver. Não raras vezes faço pequenas incursões às "casas" onde vivi rodeada de todo o amor que fui capaz de multiplicar e consigo ver-nos de sorrisos abertos, em conversas logas e com os planos que traçávamos juntos. Gostava, TANTO , de poder regressar aos lugares que transformei na nossa casa e onde sempre reinou a paz, independentemente de todo o tumulto que o cuidado, a preocupação e o medo de mãe provocam. Gostava de poder ter só mais um dia que fosse, mas sei que teria feito tudo da mesma forma, amando até que mais nenhum amor coubesse. Já sabia, mesmo que não perdesse demasiado tempo no que seria certo, que um dia a " casa " não voltaria a ser a mesma e que até quando regressassem todos quantos me prepararam para o maior papel que jamais desempenhei, nunca mais voltariam para ficar. Resta-me

De que força somos feitos?

Somos feitos de caixas cheias de força, mesmo que fraquejemos perante o que por vezes até parece pequeno. Somos, eu, tu e nós quando juntos, todo o amor que partilhamos e fazemos crescer, mesmo quando arrisca diminuir, dia sim e dia também. Somos as pessoas certas quando nos acertamos, e as mais erradas quando perdemos o norte e nos debatemos por entrar e permanecer na normalidade. Somos a soma de tudo o que já começou por ser pouco, mas que pretendemos ver multiplicado, sem que no entanto saibamos quando e de que forma. Somos todos os lugares por onde passámos e todos aqueles que ainda saberemos construir juntos, até que outras histórias se escrevam, reescrevendo as que nos couberam viver. Somos um verdadeiro caso de estudo! O que foi que nos trouxe até ao hoje? Muita loucura. Tempos fora do tempo como o conhecíamos. Sonhos em formatos novos e ainda por documentar. Sabores que ainda precisamos de determinar, porque volta e meia amargam. Somos todos o resultado do que nos incitamos a a

Porque é que te amo, sabes?

Queres saber porque é que te amo? Amo a ideia que faço de ti e tudo o que me poderias dar, se ao menos me amasses de volta. Amo os sorrisos que nos arranco, aligeirando o que se tornou demasiado pesado para suportar. Amo os dias e as noites nos quais nos imagino juntos, sendo ambos a metade inteira que supostamente falta ao outro. Amo saber que ainda te consigo amar desta forma e que não fechei o coração ao mundo. Queres entender o que espero de quem deveria saber esperar por mim? Espero tudo o que consigo dar, não ocupando espaços desnecessários e estando apenas quando e onde fizer falta. Espero uma corrida idêntica, passadas compassadas e sonhos partilhados, mesmo que únicos e até incomuns. Espero poder deixar de esperar pelo que deverá chegar até mim sem esforço, o mesmo que não dispendo quando e enquanto te estou a amar. Queres querer-me ao teu ritmo, ao meu, ou ajustando o de ambos para que nos amemos sem atropelos? Julgo que esta resposta não necessita de qualquer desenvolvimento