Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2020

Ainda te lembras?

Ainda me lembro de quando te pedia, rogava e chorava para que me dissesses, de forma a que entendesse mesmo, porque já não dava mais. Ainda tenho, lá no fundo das memórias que guardei, o empenho, o amor e a entrega em tudo o que te dei e fiz para que também fizesses algo por mim. Ainda sinto alguma da dor que me infligiste, alegando que era a ti que te doía. Ainda encontro alguns dos recados que espalhava pela casa, pela nossa casa, num receio inexplicável de deixar alguma coisa por dizer e foi tanto o que te disse.  Ainda me lembro de como era bom saber-me tua mulher e acreditar que eras o homem que ficaria do meu lado. Ainda mantenho, apesar de tudo, a fé no amor que soube conservar para que um amor certo possa chegar. Ainda continuo capaz de sonhar e sonho sempre muito, porque é apenas sonhando que a minha vida, tal como a desejo viver, poderá mesmo acontecer.

O silêncio também mente!

" O silêncio é a forma mais econômica de mentir" - Eduardo Sá. Os fracos e os pequenos, remetem-se ao silêncio sempre que se sentem incapazes de assumir o que decidiram, de forma fundamentada ou não. De cada vez que escolhemos o silêncio, permitimo-nos cobrir com uma capa de liberdade aparente e ilusória, porque a verdade é que nunca poderemos ser livres se não falarmos do que somos e temos dentro. Presentear alguém com silêncios encolhe-nos e resume-nos, mas TÃO bem que os entendo, aos silenciosos, é que falar, contar, dizer o que é e como, obriga a uma estrutura emocional bem conseguida. O que resta ao objeto dos silêncios, é ser grande o bastante para conseguir ouvir sem sons e para responder às perguntas que nunca serão feitas. Quem já viu a meta muito antes do início da corrida, vai dispensar as palavras, porque terá como certa a visão do "prisioneiro", mas não ser capaz de enfrentar o que se decidiu, é seguramente decidir erradamente. O silêncio, quando já tud

Fica onde fores feliz!

Fica onde fores feliz e foge, corre desalmadamente de tudo o que não te souber a certo! " Nem sempre se pode" - responderão alguns, mas a vida ensinou-me que se pode sempre, mesmo que não no imediato, mas de cada vez que estabelecermos uma meta e não recearmos tudo o que teremos que caminhar para que seja cruzada. Desvia-te do que apenas colide contigo para te abanar as estruturas e firma cada um dos teus desejos, reafirmando a vontade de não desistir de nenhum. Quando sentires que o que te fazia feliz se esbateu, reforça as cores e começa a pintar um novo quadro, o ontem nunca poderá servir de desculpa para não teres um amanhã à tua escolha.

Quanto mais sou, mais preciso de ser!

Quanto mais me cruzo com as vidas que se "encostam" à minha, mais sorrio a tudo o que já vivi e fui capaz de sentir. Estar num lugar emocional que me tranquiliza o bastante para que nunca mais me apresse ou permita que me queiram pressa, enche-me de certezas, levantando o fino véu que já me cobria. Quanto mais oiço as palavras que eu mesma já repeti antes enquanto repetia um padrão de auto-sabotagem, menos me perco em considerações que sei bem onde levam, mas só me resta lamentar pelos que se cegam voluntariamente.  A felicidade é claramente um estado de espírito e não está sempre nem para sempre, mas quando nos irrompe alma dentro, sabemos exactamente por que razão não voltaremos a abdicar dela, não por qualquer migalha e nunca para que nã a possamos saborear em pleno.  Quando já andamos por aqui há tempo suficiente, usamos do nosso tempo como bem nos der na real gana e ninguém terá do que cobrar, até porque a acontecer, não teriam meu nem um "cêntimo".

Será que sou corajosa?

Sou corajosa, é um facto, mas isso não significa que tenha afastado os medos. Sou corajosa porque mesmo sentindo medo, vou, sou, faço e nunca desisto. Este ano não passará em vão e NUNCA será apenas um ano mundialmente assustador e imprevisível, não para mim que soube como usar dos silêncios impostos, da quietude e do afastamento social, para crescer interiormente e para me escutar. Nem sempre escutamos com atenção o que ouvimos, tal como falhamos ver o que tantas vezes olhamos, achando que estará sempre "lá". Este ano aprendi imenso sobre mim, do que sou verdadeiramente capaz de ser e de fazer para nunca mais me defraudar. Este ano testei os meus limites internos e sobrevivi a cada um, mas fui acordando cada dia mais corajosa. Ter coragem não significa que conseguimos  estupidificar emoções, mas passamos, sim, a colocá-las em perspectiva, sabendo, de forma clara, que TUDO passará SEMPRE pela nossa capacidade de nos superarmos e vencermos. Ter coragem é arremessar o NÃO quand

I'm a grown woman!

"Sou uma Mulher adulta e posso fazer tudo o que quiser", assim se ouve na música da Beyoncé. Ser uma Mulher adulta, sendo e fazendo o que nos define enquanto definimos o nosso percurso, carrega uma ENORME sensação de poder. Sermos nós em todos os momentos, dizendo como, quando e com quem, deixa-nos com uma fabulosa ligeireza, plenas de certezas e certas de que estamos ao comando, no leme. Sermos quem dita as regras e define cada um dos momentos de que são feitos os nossos dias, remete-nos para o nosso lugar e de lá ninguém nos arrancará. Ser uma Mulher adulta não vem sem pesos, mas cada um será carregado à nossa maneira e sem pedir licença. Ser uma Mulher adulta não passa pela idade biológica, mas sim pelo respeito que nos devotamos, e com ele virão os sorrisos pela manhã quando nos olhamos ao espelho e sabemos exatamente quem está representado no seu reflexo. Sentir-me uma Mulher adulta, agora, neste ponto e momento, passou a ter um sabor demasiado especial para ser ignorado

Já amei muito...

Já amei muito , já amei intensamente e já amei a achar que nunca seria capaz de voltar a amar de igual forma. Já amei consciente de que o amor que dava estava a ser em demasia, mas soube-me bem amar por dois, até perceber que o amor nunca é apenas dum e que a acontecer não tem DEFINITIVAMENTE esse nome. Já amei as pessoas certas e as erradas, sabendo-o à partida, nunca por avaliação errada, mas por erradamente assumir que não importava... Quem se esforça cresce, amadurece e conhece cada ponta de emoção de que é feito, por isso continua pelo caminho a vê-lo de forma mais clara e é claramente mais suave quando aprendemos os nomes de cada realidade e a tratamos em conformidade. Quem alia o coração à razão passa a movimentar-se com razoabilidade e nunca mais se atira de cabeça para riachos desconhecidos, quando decide mergulhar, escolhe o lugar, o tempo e o momento. Já amei tanto e durante tantas vidas, que nesta só me considerarei vencedora se reencontrar quem me ensinou a amar e ser

E se os "ses" se anteciparem?

S e ficares à espera que as pessoas se comportem de forma a não gorarem as tuas expectativas, certamente que acabarás a deixá-las cair para bem fundo. Não coloques respostas na boca de quem ainda não formulou as perguntas certas e não entregues aos outros a tua paz e cada um dos silêncios que mantêm o mundo lá fora. Se continuares a medir os outros pelo teu peso emocional, achando que poderão crescer e ser do teu formato, vais apenas conseguir que o coração bata de forma descompassada, pelas piores razões, e que o cérebro se movimente em modo de total protecção. Se continuares a achar que a razão é bem mais importante que a emoção, não equilibrando as duas, a felicidade fugirá do teu controlo, quando já deverias saber que ser feliz é verdadeiramente o que importa. Se largares os consecutivos "ses" da vida, viver passará a ser uma realidade plena.

O desamor não me verga!

Sou a primeira a reconhecer que resistir ao desamor não é para todos, mas serei sempre das primeiras a garantir que teremos como sobreviver-lhe, não importa o tombo ou o arrombo. De repente, passado o tempo que cada um necessita ou se obriga, acordamos sem mazelas e sem esperar, numa espera desesperada, por quem nunca teria como voltar. Sou a primeira, agora, a não desvalorizar a dor que um coração vazio provoca e a imensidão de espaço que se cria entre o que somos e o que julgávamos ser quando sentíamos por dois, mas permanecerei das primeiras a impulsionar a necessidade de regressarmos às partes de nós que descurámos, porque a verdade é que nunca perdemos a chave que abre cada uma das portas que guardam a solução, apenas a colocámos longe da vista. Sou a primeira, sempre fui, a não duvidar que o amor cura qualquer mal, por maior que seja, mas por vezes todo o desamor que prolifera consegue deixar no ar o "pólen" da desconfiança, porque NUNCA me lembro de ver tantas almas se

Quantas são afinal as almas que nunca se chegam a tocar?

Conseguiu regressar ao baú das memórias, mas desta vez, curiosamente, não sentiu qualquer dor ou mágoa, apenas pairou sob os acontecimentos dum passado demasiado recente, ou talvez não tanto assim, mas que para variar lhe souberam bem. Conseguiu perceber que finalmente existia uma conclusão e que o amor que vivera de forma tão intensa, tinha sido mesmo real e por isso mesmo não conseguiu deixar de se sentir afortunada. Quantas são afinal as almas que nunca se chegam a tocar ? Quantos os corações que nunca batem sincronizados e que nem sabem que coração lhes está reservado. Quantas as esperas desesperadas por alguém que lhes confira sentido à vida? Conseguiu, estoicamente, enfrentar os seus fantasmas e sorriu-lhes com meninice e inocência, porque apenas assim se regressa do inferno emocional e se sai ileso, quando se acredita que amar será sempre a única e última cura para todos os males deste e de outros mundos.

Ainda receias não recear a vida?

Quando deixas de recear o hastear consistente da bandeira que reflete a tua coragem interior, porque o medo dos outros já não te afeta, sentes que a energia boa flui de forma mais consistente e que até os teus sonhos mais loucos começam a materializar-se. Ser uma pessoa resolvida e segura não vem sem mazelas ou uns quantos dedos apontados, por ignorância ou inveja, mas que consegues entender e desvalorizar, porque subir patamares leva o tempo que decides dar-te e quando estás para lá de meio, mais NADA te faz "descer". Quando percebes que os sentimentos de pouco se colam à impossibilidade generalizada de se ser e fazer mais, para a maioria dos seres que habitam o teu Universo, reconheces, se já não o fazias antes, que és verdadeiramente abençoada, mesmo que para isso tenhas trabalhado afincadamente. Se cuidares do teu EU , ele devolver-te-á a sabedoria que se adequará a todas as circunstâncias, livrando-te do que apenas te poderia atrasar a passada firme. Se continuares à pr

És, declaradamente, tudo o que pensas!

És o que pensas e por consequência atrais tudo o que tens dentro. Posto desta forma, então terás apenas que aceitar e abraçar cada uma das pessoas e circunstâncias que vieram até a ti. - Porque razão atraí quem não me soube amar? - Certamente porque precisavas de poder avaliar, in-loco, o que significa verdadeiramente ter e passar amor. Atraíste quem te ensinou que afinal tens o que precisas para que não te atrevas a duvidar. Atraíste quem te recordou do quanto deverás ser sempre importante para ti mesma e que a tua vida terá que correr em conformidade com essa mesma evidência. Se não sentires que estás no teu lugar certo, para que chegues onde anseias, então estarás sempre erradamente colocada, a desejar o que não tens e a não seres capaz de usufruir do que afinal já te pertence. Em resumo, estarás a planar sob a vida e não a vivê-la. Que desperdício! És tudo o que pensas, acredita, por isso TENS mesmo que parar de pensar no que te traz, uma e outra vez, mais do mesmo. Se és tudo o qu