Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A soma de todos os beijos...

A soma de todos os beijos , desejos e toques que pareciam tocar, não bastarão para que me possas bastar e por isso continuo oficialmente a sentir saudades de ter quem já me tenha! Dizias o que até ouvia, mas escolhia reajustar, entendendo que acabarias por dizer o que me levara até a ti. Beijavas com todos os beijos que devolvia, mas eram sobretudo os meus que contavam e carregavam o que nunca conseguias ter. Tocavas no corpo que aceitava o teu, mas apenas para reacender o que há muito estava pronto. Andavas, por alguns momentos, na mesma passada, mas rapidamente passavas para o lugar de onde nunca te consegui trazer e foi o que me fez partir. Os amores que reconhecemos quando acreditamos precisar de mais, poderão ser tão ilusórios quanto é a razão que os juntou, mas ainda assim embarcamos nos sabores que nos deixam, esperando que o mel compense todo o fel. Vinhas, algumas vezes, mas apenas metade de ti ficava, tudo o resto, o que poderia ter evitado a fuga de ambos, nunca chegou até m

Sabes o que é a vida?

A vida tem um ir e voltar e tem duas faces e momentos que se repetem para o bem e para o mal. A vida é um tutor permanente que nos vigia os passos, tentando passar-nos o que teremos que aprender e desferindo-nos duros golpes de cada vez que falhamos. A vida é a palco ao qual subimos para representarmos, de forma mais ou menos profissional, o que formos aprendendo. A vida não é uma madrasta, mas sim uma mãe disciplinadora. Não vás andando demasiado distraído. Não contes com o tempo que ainda te falta, pensa no que já desperdiçaste. Não adies o que tem um tempo e momento. Não esperes por decisões que apenas poderão ser tomadas por ti e não desistas do que te faz feliz. A vida é o teu bem mais preciso, acarinha-a e enfrenta as tuas incapacidades para que te possas fortalecer e usufruir.

Posso ficar aqui...

Posso ficar aqui , neste lugar emocional onde nada faço por mim e questiono tudo o que sou, ou posso seguir em frente, vendo o que até já era claro. Posso ouvir dizer que sou quem importa, mas o que importará verdadeiramente é que o sinta, porque não sei viver sem o que me percorre o corpo do qual cuido para que o coração corresponda. Posso procurar respostas para todas as perguntas que sempre tenho que fazer e ainda assim nunca encontrar nenhuma. Posso até não poder amar da forma que me leve inteira, mas apenas acontecerá por um milésimo de segundo. Posso ter que mudar alguns planos, mas sei que outros se seguirão e que nunca ficarei presa ao que não me prende. Voltar ao mesmo ponto e momento onde era apenas eu e já sabia o que fazer comigo e dos meus dias, está a ser regenerador. Não esperava nada de ninguém externo a mim e nunca me desiludia com os que já tinha identificado, etiquetado e arrumado. Recomeçar pode ser uma benção e ainda não deixei de me sentir um ser abençoado e p

Tenho o tempo nas minhas mãos!

Tenho o tempo  nas minhas mãos , aquele que acredito, talvez de forma ilusória, ser mesmo meu. Tenho o poder e a capacidade de fazer escolhas que me escolham em primeiro lugar, porque depois de cada uma serei e terei muito mais.  Estou presa a mim e a tudo o que ainda me falta fazer. Estou sempre onde preciso de ver e sentir, até perceber o que é suposto ser e por quanto tempo. Estou mais determinada a terminar cada novo começo, para que avançar seja natural e para que aceite os inevitáveis recuos. Estou um degrau acima na minha evolução emocional e sinto-o quando consigo sentir da forma certa, sem as bagagens que quase me empurravam montanha abaixo, a mesma que tanto me esforço por subir. Tenho muito mais respeito pelo tempo que a vida me oferece, devolvendo-lhe a mesma entrega. Sou a pessoa que julguei apenas conhecer muito mais tarde, mas a quem sorrio por já ter chegado. Faço o que espero me seja feito, mas entendo que alguns NUNCA consigam entender o que terão que dar para que te

Queres saber o que mata uma relação?

Nada mata mais depressa uma relação do que amor ! Baralhados? A verdade é que a velocidade que imprimimos quando amamos pode acelerar ou refrear quem não sabe o que fazer com o amor que temos. O uso da inusitada e cada vez mais perigosa palavra, amo-te, deveria vir com instruções específicas quanto ao tempo, porque cedo nunca será o momento certo e tarde já não surtirá efeito. Sei que nos "matei" no mesmo momento que soltei pelos lábios o que deveria apenas ter permanecido no meu coração e são mortes destas que me asseguram de que nunca sairei a ganhar.

As emoções dão imenso trabalho!

As emoções dão imenso trabalho  porque originam sentimentos que se colam, à nossa revelia e encontram razões onde supostamente nem existiriam! São as emoções que nos provocam sentimentos que nos unem ou afastam dos outros, disparando campainhas de alerta. Viajam, regra geral, à velocidade da luz, impedindo-nos de as acompanhar devidamente. São as emoções que nos recordam do que julgávamos estar arrumado e resolvido, mas quando as analisamos, olhando-as com a atenção que nos livrará de dores autoinfligidas, percebemos o que fazer, como e quando. São as emoções que nos recordam da nossa humanidade e ignorá-las nunca trará bons resultados. Andar por aqui nunca será fácil, se a pretensão for atingir a excelência, superando-nos diariamente. Saber o que nos move de forma positiva e negativa, ajuda a que ajudemos os outros a tratarem-nos da forma certa, evitando sentimentos que permanecerão para lá das emoções.

Quanto te ficou por dizer?

É tanto o que fica por dizer , mesmo quando e aparentemente se vai dizendo tudo, porque somos muitas coisas em muitos lugares em simultâneo. Somos faces mais ou menos ocultas, dependendo de quem connosco esbarra e somos a soma de muitas histórias reais, mas igualmente fantasiadas. Levamos décadas de construção emocional e temos coladas a nós outras tantas de desvios, recuos e recusas. É tanto o que esperamos de nós, quando até estamos a ser o bastante, mas tão pouco de cada vez que subtraímos o outro, impedindo-o de nos conhecer. Gostava de "te" poder sentir comigo sem esforço, sem que as costas se voltassem quando precisasse de "te" ver. Matava por um coração que nunca arrefecesse o meu, que batesse ritmado ou descompassado, mas por mim. Gostava de não ter que te procurar, de já te saber aqui, sem condições, minhas ou tuas, apenas tempos e momentos connosco. Gostava de ver refletidos nos teus olhos os meus, porque me estarias a ver. É tanto o que fica por dizer qu

Tenho os sorrisos de volta!

De repente, num dia que parecia ter tudo para ser igual aos outros, acordo renovada, de sorriso nos lábios e grata pelo que sou e já construí. De repente o agora instala-se outra vez, de forma serena e a permitir-me ver o que já sabia existir. De repente já sou eu outra vez. Sei que gosto de entender tudo, não saltando etapas e juntando o que me servirá no futuro. Sei que não aceito o pequeno nem as respostas que não se ajustam às perguntas que fiz. Sei que posso ir sabendo muito mais e que preciso de ver o caminho à minha frente para o querer continuar a fazer. Sei o que me faz mal e do que preciso de fugir para permanecer onde e como sou. De repente as palavras voltam a renovar-me por dentro e é a elas que me agarro, as que uso, para saber o que dizer, como e quando. De repente os sabores voltam a ser os meus, os de sempre e até os cheiros cheiram ao que me pertence. De repente o antes parece ter sido apenas uma paragem obrigatória, mas visto que não me levaria a lado nenhum, volto

Regressando!

  Sue Amado´s photo Devagar, mas não muito devagarinho, já fiz 4 quilómetros!

Se não sabes fazer, podes aprender!

Se não sabes fazer, podes aprender! Há muito que me deixei de desculpas e por isso quando visualizo e acabo a desejar, ponho-me a caminho e faço acontecer. Tudo o que parece fácil, aos olhos dos outros, está a ser bem feito, mas o tempo, os momentos e todos os percursos, esses serão inteiramente nossos, muito difíceis alguns, mas com um sabor que mais nada nem ninguém consegue passar.  Quando o que sou precisa de mais "viagens" emocionais, inicio cada uma e vou com medo mesmo, mas indo sempre, de contrário nunca ficarei a saber se valeria a pena. Quando sentir da forma certa me acerta todos os ponteiros internos, reconstruo-me melhor e faço-o todos os dias, regredindo em alguns, mas compensando-os logo de seguida. Quando o que já tenho deixa de me bastar, corro atrás do que me preencherá um pouco mais e foco-me no que serei depois e por norma é bem maior. Há muito que passei a perceber do que não percebem os outros, por incapacidade natural, ou por falta de vontade e amor

O Outono está aí!

  Sue Amado´s photo

Relacionamentos de caca!

Estou a uma unha de escrever uma dissertação sobre relacionamentos atuais. Os termos são mais do que muitos, é só escolher: São as relações abertas, o poliamor, as trocas de casais, swings e outras variantes, mas até aqui tudo bem, desde que seja com o acordo das partes, cada um é livre de viver como deseja, onde a porca torce mesmo o rabo, é nas constantes traições emocionais e físicas, disfarçadas de "normalidade". Agora os chamados "normais" são considerados retrógrados. Pronto e parece ser este o caminho da evolução humana! No meu estudo, a acontecer, terei que referir a insatisfação natural e constante de grande parte dos seres que povoam este universo, quer homens, quer mulheres. Só estão bem onde não estão (seguramente que isto vos faz recordar de uma música). Querem quem não têm e têm quem até deu algum trabalho a conquistar, mas após a conquista, o cansaço. Voltamos à história dos predadores, o que importa mesmo é a caçada, porque a caça em si... Temos muit

Gostava de apenas querer!

Gostava de poder aceitar que qualquer forma de amor é amar, mas sou tão mais exigente agora. Gostava de poder simplesmente gostar, sem demasiados tratados ou esforços para que me soubessem aceitar. Gostava de entender do que ainda não entendem os que afinal até querem amar, mas estou quase a desistir. Carregamos todos emoções que nos movem os sentimentos da forma certa, ou tão distorcida, que o resultado só poderá ser cada vez menos resultados e muita mais solidão. Parecemos andar em terrenos demasiado sinuosos e o fôlego quase que se vai, impedindo-nos de respirar de forma a termos o formato que serve. Sonhamos mais, mas queremos tão pouco dos sonhos que até nos manteriam vivos, que acabamos a morrer a cada sono adiado. Partimos de metas ilusórias e raramente chegamos a algum lugar e por isso os finais serão sempre os inevitáveis inícios. Gostava de poder sorrir para os sorrisos que chegam até mim, sem duvidar das intenções. Gostava de poder ouvir exatamente o que as palavras carregam