28.11.19

Já sei do que me vou arrepender e de quantas saudades sentirei!

saudades de ti


Já sei do que me vou arrepender e de quantas saudades sentirei do que não fui capaz de manter!
Vou-me arrepender de não querer retomar o amor que certamente me caberia. Vou deixar de viver acompanhada até nos silêncios e vou arremessar, para bem longe, qualquer respigo de todas as emoções de que sou feita. Vou-me arrepender de não ouvir as gargalhadas da minha outra pessoa, passando apenas a rir-me sozinha e para mim. Vou sentir saudades dos laços que inevitavelmente criaria com quem juntaria memórias para o depois. Vou sentir enorme saudade dos abraços tranquilizadores e que me manteriam numa segurança imaginária, mas doce. Vou sentir saudades do que teria para contar e que não passaria apenas por mim, mas que me teria em cada momento vivido com o amor que carrego dentro.
Já sei que terei muito mais sobre o que escrever e que o continuarei a fazer sozinha, não segurando a mão que manteria a minha cheia de certezas. Já sei que não terei a quem chamar de meu, nem a quem encostar a face fria. Já sei que poderei ver muito mais do que me rodeia, porque para isso terei tempo e demasiados momentos sozinha. Já sei que estou conscientemente a escolher o que se tornou claro...
Já sei que me vou arrepender de não ser mais corajosa e que inevitavelmente sentirei saudades de todo o amor que deixarei por fazer.

27.11.19

Será que ainda nos sobram perguntas?


O que farias hoje se ainda te escolhesse?
Nunca estiveste pronto, mas sei que já me quiseste muito. Abriste os braços desejoso de muita entrega, mas não tive como caber e acabei a sobrar. Nunca me aceitaste pela diferença e recusaste o que não conseguias entender. Como te entendo!

O que faria hoje se te tivesse sabido ler?

Não repetiria, mas iria certamente perder muito amor. Não caminharia com tantas certezas, mas é tão pouco o que é certo. Não te teria dito que te amava, tantas vezes, mas também não o iria ouvir.
O que faríamos ambos se nem tivéssemos tentado?

Provavelmente continuaríamos à espera de alguém tão certo, mesmo que no tempo errado. Não teríamos histórias para recontar e nunca chegaríamos a saber o sabor do outro...

26.11.19

Devemos ou não esperar por tudo mesmo quando não temos nada?



Devemos ou não esperar por tudo mesmo quando não temos nada? Esta coisa da energia positiva e negativa e do que se projecta voltar em dobro, deixa-me a pensar em imensas coisas e na forma como arrumo umas quantas!

Aprendi a querer, a visualizar, a esperar que a leitura do que cuidadosamente delineei seja entendida e me seja devolvida. Deixei de ser descrente, céptica e amarga. Aprendi a relativizar e agora dou descontos, aceito as incapacidades de cada um e vivo em paz comigo. Aprendi a nunca abdicar do que me completa e deixa capaz de tudo o que ainda estiver por chegar.

Nunca espero nada, mas esperando que venha em dobro, sabendo que para mim, da forma como sou sempre com tanto sal e desejo, quem se cruzar terá que vir bem maior. Quem vier terá que ser capaz de galgar os meus muros, de me abraçar forte e de não temer os meus temores. Quem vier terá de me sossegar, mas permitindo que me mantenha eu mesma, porque só dessa terá o que vale realmente a pena.

Vou continuar assim, à espera do que virá. As instruções foram bem dadas, agora só me falta decidir, escolher e determinar qual das opções será a minha metade, o meu outro lado, mas visível, sem máscaras e real do início ao fim!

Atitude, é isso que nos define e muda tudo!



Atitude, é isso que nos define e muda tudo. Nunca nada passará pelo que controlamos, porque na realidade controlamos muito pouco. Nunca terá a ver apenas com o que somos e com as nossas limitações, a existirem. Nunca poderemos ser apenas avaliados pelas habilidades, mesmo que influenciem, claro está. O importante mesmo passa em primeiro lugar pela atitude, porque é ela que define a forma como encaramos os obstáculos e nos forçamos a progredir.
As pessoas com atitude carregam uma luz muito própria e são por si só motivadoras de muitos. As pessoas que carregam atitude até nos sorrisos, deixam-nos com vontade de sermos e fazermos mais. As pessoas com atitudes positivas e com auto-confiança, empurram-nos para novas conquistas e mostram-nos o lado mais brilhante da vida...
Atitude, queremos e esperamos mais de quem percorre os nossos caminhos. Atitude e almas nobres procuram-se desesperadamente antes que o desespero em falhar se instale. Atitude é o que não subtraio ao que TANTO me esforço por ser e é apenas assim que multiplico cada grão soprado, sobretudo aos 3 homens da minha vida.

25.11.19

O que faço eu aqui?

Sou TUDO aquilo que me esforço por conquistar


O que faço eu aqui? Esta era a minha pergunta de um milhão de dólares, mas percebo que já a respondi quando me deixei invadir por uma energia que passou a restaurar-me a cada acordar. Nada se tornou mais fácil ou iluminado, mas o TUDO passou a ter outra classificação. Ter e ser TUDO começa bem dentro e nunca passará por conquistas materiais, porque essas a acontecerem, não serão a minha "companhia" nas inevitáveis noites de solidão, aquelas em que todos os meus estarão a viver as suas vidas e a serem quem tanto antecipei. O TUDO será tão somente o que fiz por ser enquanto não me ocupava do insignificante e me focava em "mobilar a minha velhice". O TUDO é o que consigo criar quando deixo sair por cada poro o que me move e adorna o olhar. O TUDO são as lembranças, as viagens em mim mesma, as certezas quanto ao que sou para quem de mim precisa e até as dúvidas que trabalho para que se dissipem.
O que faço eu aqui? Conheço-me para conhecer melhor os caminhos que ainda preciso de percorrer. Preocupo-me verdadeiramente com o que vou deixar, porque inevitavelmente deixarei algo a alguém. Curo-me das dores e reforço as defesas. Protejo-me do que me afasta, deliberadamente ou não, dos meus meus objectivos. Tento apenas ser feliz espalhando o que vale mesmo a pena. Respeito-me.
O que faço eu aqui? Vivo a vida que me coube e agradeço até pelas pedras. Sou sempre eu, de igual forma para todos!

24.11.19

Já deixei de lado as partes que não me pertencem!



Já deixei de querer reagir a quem não me provoca reacções positivas. A minha tolerância permite-me perceber que algumas pessoas nunca terão forma de evoluir e acabarão, inevitavelmente, por se agarrar ao que não as mantém à tona da água, mesmo que acreditem que sim. muito pouco do que é externo a mim me afecta, não porque a couraça seja mais dura, mas simplesmente porque não me cabe mudar os outros ou sequer dar aulas gratuitas. Já deixei de esperar que olhem da mesma forma que faço, a minha visão da vida será muito própria e carregará apenas a pessoa em que me torno, dia após dia. Já deixei de aceitar explicações vãs, ou a falta delas, hoje, ainda mais do que ontem, vivo no único mundo que me importa, no meu. Já deixei o coração sossegar e muito dificilmente alguém o voltará a fazer bater de forma descompassada ou irracional. só digo o que é verdadeiramente importante!

22.11.19

Queres que te faça uma confidência?



Queres que te faça uma confidência? Já não tens forma de me reconhecer. Passei a deixar passar tanta coisa e a importar-me muito mais comigo. Deixei para trás o que me quase me afogava em mágoas alheias e já me rio com muito mais facilidade. Tenho uma leveza que me impede, naturalmente, de deixar entrar quem não vem por bem. Estou mais assertiva e já não entro em corridas desenfreadas. Guardo cada uma das lições aprendidas e não repito nenhum dos erros reconhecidos. Sou muito mais consciente do meu corpo e dos meus movimentos, por isso cada passada me carrega exactamente como sou.

Queres perceber do que percebo quando olho para os outros? Se não forem melhores, mesmo que não saibam tanto, não lhes atribuo passe, nem sequer social porque não sou uma instituição de caridade. Não aceito só porque sim e recuso ainda com mais veemência o que só poderá ser um NÃO declarado. Não deixo, em nenhum momento, de me sentir mulher, sabendo que serei tão especial quanto me considerar. Não regresso a nenhum passado, por melhor que tenha sido.
Queres fazer parte da minha vida? Trás-me o que me falta, completa o puzzle e serás muito bem-vindo, de contrário...

21.11.19

Haja o que houver vou saber sempre quem sou!

Feelings


Haja o que houver, vou estar aqui e ser a mesma até quando mudar, porque apenas mudando terão o melhor de mim. Haja o que houver vou esperar pelo que me cabe, mas já não esperarei por ti. Já sei quem és. Já sei o que não me podes dar. Já sei que te deixei ir...

Haja o que houver o futuro será sempre o dia depois do hoje que faço por melhorar. Haja o que houver nunca mais voltarei a reclamar, apenas a aprender a aceitar o que não tenho como controlar. Haja o que houver, não te irei culpar do amor que soubeste dar, nem do que te dei em demasia, afinal acabámos os dois a ter o que nos servia. Haja o que houver vou aceitar que o tempo me foi dado na íntegra e que fiz com ele o que sabia.

Se estivesse um dia que fosse mais à frente, não teria a força que me construiu, nem teria viajado tanto pelo meu interior. Não me esqueço de nada do que importou, mas faço escolhas maiores de cada vez que solto as mãos que não me seguram. Se o que me carregou de sombras não tivesse passado, passaria a saber ainda menos e a conseguir muito pouco.

Haja o que houver, nunca terei medos maiores do que sou e nunca serei maior do que a necessidade de nunca me sobrepor aos que também importam. Haja o que houver, prometo-me continuar a prometer apenas o que serei capaz de cumprir.

20.11.19

Não e não mesmo!



Não carrego o peso dos outros

Não carrego o peso dos outros, nem me esforço por resolver o que não me cabe.

Não tento compreender para agradar, porque não me agrada que ainda tantos não saibam como se entender.

Não me foco na vida que não terei forma de viver e escolho viver a minha tranquilamente e com sabedoria.

Não me volto para trás à procura do que perdi, escolho antes encontrar o que me pertence.

Não perco tempo a justificar-me, até porque alguns não saberiam o que fazer comigo depois.

Não ofereço a outra face e já estou demasiado longe da santidade, por isso não espero converter ninguém.

Não descarrego as minhas dores em quem quer que seja, lambo as feridas e continuo, de sorriso em riste e confiante na cura interior.

Não magoo para me sentir mais forte, até porque a minha força está na generosidade, mas cuidado, não "cutuquem" a leoa.

Não tenho pressa de coisa alguma, mas não permito que me atrasem a caminhada.

Não sou muito diferente, nem melhor, sou apenas e tão só igual a mim mesma e essa, se puderes conhecer, vais sempre reconhecer!

19.11.19

Felicidade é...

The Way We Were: 33 Vintage Photographs of Children Playing in the Past That We Could Have Lost Today ~ vintage everyday


Quando comecei nesta caminhada de progenitora, não sabia bem ao que ia, nem de que forma poderia fazer a diferença na vida dos meus, mas de mansinho e com todo o bom senso de que sou feita, percebi que os passos deveriam ser sempre dados na direcção da felicidade. E porquê?

As pessoas felizes são mais resistentes aos embates e vivem as coisas com intensidade, mesmo que as mais pequenas. As pessoas felizes fazem planos possíveis e conseguem visualizar o seu futuro. As pessoas felizes não carregam mágoas, nem o peso de famílias alargadas problemáticas. As pessoas felizes vão querer continuar a sê-lo, porque foi assim que sempre viveram.

Ser mãe fez-me sempre focar no essencial, no que, mesmo sub-repticiamente, passaria os valores e a resistência emocional. Nada é mais importante do que a firmeza até na dúvida e isso fui conquistando a pulso, mostrando-me e provando ser possível. Os filhos absorvem-nos em cada gota e respiram do mesmo ar. Os filhos vão sabendo do que já aprendemos, se o passarmos da forma certa. Os filhos deverão ser sempre a nossa versão melhorada.

Nunca subi demasiado a fasquia no desempenho escolar. Nunca desatei a escolher por eles, procurando o que não fui capaz de fazer. Nunca deixei de os educar para a frustração, porque quando ela existe em casa, o mundo será inevitavelmente mais soft.

Quando percebi o que me cabia como mãe, escolhi criar filhos resistentes, íntegros, amáveis e autónomos, por isso não sofro com o síndrome do ninho vazio, afinal de contas foi sempre essa a minha função, ajudá-los a partir!

17.11.19

Mulheres em apuros?



Quem somos agora, nós as mulheres? Qual é o formato actual afinal? É que não nos parecemos com nada remotamente próximo, bem, pelo menos de mim que já passei a barreira dos 50.

Estamos num Domingo chuvoso e estou a papar filmes uns atrás dos outros, já para não falar dos shots de açúcar, é o que dá ser sozinha e livre para fazer até más escolhas. Mas voltemos aos filmes, já não me consigo identificar com os modelos de novas mães, nem sei o que as move. Cansam-se de tudo. Querem mais do que conseguem dar e é um facto que dão tão pouco. Estão num constante malabarismo entre a vida pessoal e profissional, tal como estivemos desde que saímos para o mundo, mas agora com mais dramas. Querem seguir as normas da sociedade, parecendo o que não sabem ser, talvez porque se tivessem esquecido de lhes ensinar e não se estão a sair nada bem.

Os resultados estão à vista. Maternidades adiadas e casamentos relâmpagos. Percebo essa parte, juro que sim, até porque acabei a fazer parte das estatísticas e desisti do juntos para sempre, mas pelo menos fui resistente por um quarto de século. As mulheres querem sê-lo em primeiro lugar  e com mais autonomia, mas continuam sem saber como. Mas vou-lhes confidenciar algo valioso, uma vez mães, para sempre mulheres em segundo plano.

Não reconheço as mulheres de hoje e nem sequer estou a afirmar que são piores agora, apenas deixei de saber a que grupo pertenço. Não sei quem está a falhar tanto, porque a realidade apresenta-se ainda mais negra para cada uma.  Gostaria que pudessem apenas usufruir, é que ser mulher tem um tempo que nenhum tempo poderá consumir, nem mesmo o de mãe...

P.S. A epifania veio depois do filme "Mãe em apuros"


16.11.19

O que é que consegues aceitar?



Peço desculpa, mas não querer saber já não é desculpável!
Estamos na era do agora, por isso somos capazes de dar várias voltas ao mundo aprendendo com a viagem de muitos, se estivermos de mente aberta. Nada nos impede de perceber como funciona o Universo, basta que estejamos atentos e de alma pronta
Se deres primazia ao silêncio, vais passar a ouvir muito melhor, disso te asseguro. Se não te focares apenas no que eras antes de chegares "aqui", poderás evoluir muito mais e melhorar-te para te dares de forma válida. Se perceberes que não existem desculpas para manteres as dores do passado, vais sair curada e renovada.
No espelho dos outros consigo ver-me, sabendo exactamente o que nunca vou querer para mim, sobretudo lá mais para a frente, na inevitável velhice. Não repito erros e penalizo-me quando tenho que o fazer para me saber carregar, porque não deve existir nada mais triste do que não nos conseguirmos olhar, perdoando-nos. Na verdade encontro forma de reprimir mentiras pequenas que apenas se agigantam e nos matam aos poucos. Nos meus dias reavalio cada um e deixo-me pronta para resistir aos embates se vierem, mas tirando todo o sabor do que for igualmente bom.
Se escolhes não escolher nada e apenas te deixas levar, caminhando ao invés de correr, ou correndo quando deverias estar a caminhar e a usufruir, então ainda não aprendeste nada. A solução? Ou pedes ajuda, ou arregaças as mangas e fazes-te para que tudo seja verdadeiramente feito.

12.11.19

O difícil mesmo é não saber...

🌎follow your dreams, they know the way🌎 hi @instagram app:/picsart & stackables portrait from pinterest edited by Me


A imprevisibilidade de cada uma das previsões que faço, impede-me agora de querer muito mais do que o hoje e agradecendo de forma bem mais consciente por ainda andar por aqui. Fazer planos é um luxo. Querer para além do sonho, uma realidade dura e desconcertante, porque até para sonhar há que existir fundação e fundamento.
O meu amanhã colide com os muitos amanhã dos meus e acabo de alguma forma relegada para segundo plano. Não desisto, mas adio com demasiada frequência, esperando com impaciente paciência que as minhas escolhas me incluam inteiramente.
Prometi-me usufruir mais, do ar que respiro ainda de forma natural. Dos sabores que descubro porque me inibo cada dia menos. Dos sons que escuto até quando nada parece ser audível. Da paz que sossega um coração algo cansado, mas pronto para tudo o que vier, desde que seja para me melhorar.
Já não tenho vontade de controlar tudo, mas sei como refrear sentimentos alheios, controlando-os para que não me abalroem. Já não espero pelo que muito dificilmente virá e a vir já poderá ser demasiado tarde. Já só canto as canções cujas letras me acordam e já só me rio do que realmente tem piada.
A imprevisibilidade até pode servir de estímulo, talvez por isso me sinta cada vez mais livre e liberta de amarras!

11.11.19

Alma e Coração!



É muito claro para mim que cuido muito mais da minha alma, do que do coração. O coração foi fragmentado, repartido em alguns pedaços que uso com muita especificidade. O coração já esteve tão cheio que parecia capaz de rebentar, mas ao deixar vazia a parte que se ocupa do amor por um homem, nunca mais o consegui "mobilar".

Nos meus estados de alma identifico quem sou e porque razão me comporto de uma determinada maneira. Estou em contínua paz e fujo dos dramas de faca e alguidar, quem acaba prejudicado é o coração, porque a leveza com que me movimento impede-o de me perturbar. Nem que tente. Uma vez tendo amado com tudo do que sou feita e com a entrega que me permiti, nunca mais outro será capaz de me levantar ambos os pés do chão, mesmo e ainda que acredite no amor.

Estar tranquila, resolvida e preparada para qualquer mudança interna,faz-me fugir do que obviamente me traria dores, sustos desnecessários e muito desassossego.

Os meus estados de alma passam por já não querer que me expliquem o que nunca entenderia, desgastando-me e provando o amargo sabor do fel. Não me identifico com quem se mantém danificado e estou a anos luz de quem nunca sentirá a paz que me caracteriza, porque para isso trabalhei e porque a glória me beneficia em primeiro lugar.

Quem sabe um dia o meu coração não junta a tudo o resto e vivemos como já nos visualizo...

10.11.19

Quais são as tuas regras?

☯Adi ❥ Adrean♉️さんのツイート: "╔═══ ೋღღೋ ═══╗ StayClassy ╚═══ ೋღღೋ ═══╝ ☮️☯️… "


As regras foram feitas para serem quebradas, sobretudo as tuas se já não te fizerem feliz!
As regras conferem alguma normalidade a esta vida tão inóspita e imprevisível. Sabermos de que forma aceitamos e queremos quem nos queira, ajuda a que sejamos capazes de ler nas entrelinhas quando nada é claro. Termos regras definidas que nos mantêm à tona quando tantos se afogam, torna-nos mais fortes, mas nem sempre é a força que nos carrega, por vezes precisamos de nos permitir enfraquecer quebrando todas as regras.
O hoje pode bem nunca mais voltar a ser igual ao ontem e amanhã até o sabor do doce que nos estava colado aos lábios já terá mudado, porque a verdade é que somos feitos de bem mais do que aquilo que aparentemente nos define.. Não é errado que queiramos repetir o que nos fez sentir vivos.Não temos que nos condenar por precisarmos de fugir do que nos sabia bem, mas nos diminuía. Não tem que ser sempre "assim", ou de qualquer outra forma. Não temos que nos saber explicar...
As regras servem enquanto nos servirem e quebrá-las pode bem significar que finalmente evoluímos e aprendemos.

9.11.19

A tal da química...

yeet — Octavia Blake lockscreens Like/reblog if you...


A química parece ser capaz de mudar toda a física humana, subtraindo o que é na realidade errado e isso vai ser sempre incompreensível para mim!
Hoje, no cimo dos meus 53 anos, percebo que a maioria das pessoas escolhe não perceber nada no que toca a relacionamentos, deixando-se apenas levar pelo que lhes movimenta o corpo e adormece a mente. Parece ser bem mais fácil ignorar o que nunca será certo, permitindo que os sentimentos se sobreponham à razão.
Estive a assistir a um episódio do canal da Oprah no qual entrevistava mulheres que mantinham relacionamentos com homens casados e não consegui ficar indiferente. Cada uma das 4, bem-sucedidas profissionalmente, bonitas e inteligentes, permitiam-se subtrair por alguém que apenas queria o melhor dos 2 mundos e afinal conseguia-o sem qualquer esforço. A enganada sabe, mas finge. A parceira no engano sabe que nunca será a mais importante, mas está adormecida, por escolha. Isto ainda torna tudo mais triste e incompreensível. Talvez seja apenas eu a enganada e existam pessoas PODRES de BOAS, que justificam o injustificável.
Se assimilarmos que somos a pessoa mais importante da nossa vida, jamais embarcaremos em viagens com pessoas pequenas, egoístas e cobardes. Se nos pusermos em primeiro lugar, respeitando-nos, os outros saberão de imediato que os jogos nunca surtirão efeito. Se cuidarmos do nosso desenvolvimento emocional, seremos capazes de sorrir para dentro, sabendo que jamais aceitaremos o segundo lugar. A fila de trás. Os minutos a correr e a vergonha que definitivamente se instalará por nos magoarmos com consentimento.
A química pode até explicar muita coisa irracional, mas a racionalidade tem que nos assegurar que os outros terão que ser capazes de nos ver como somos mesmo, capazes e capacitadas para termos o amor que merecemos. Nunca nada menos do que isto.

8.11.19

É preciso tão pouco para sermos felizes!

World in Black and white

É preciso tão pouco para sermos felizes!

Já o sabemos e até que o conseguimos testar, mas por norma escolhemos manter o foco no que não nos serve nem satisfaz. Alguns minutos, poucos, de acção e movimento interno, gostando do que somos e ansiando por muito mais a cada dia, pode mudar tudo.

Basta que nos consigamos dar ao outro, usufruindo de uma conversa positiva, partilhando-nos. Basta um abraço apertado e um beijo sentido. Basta um treino mais intenso, testando-nos emocionalmente, porque o que a mente exige o corpo cumpre. Basta fazer amor com quem amamos, sem pressas e sem esperar pelo que até já temos. Basta uma música que nos movimente e acorde verdadeiramente para mais um dia que planeamos sem planos garantidos. Basta sobrevivermos a mais uma etapa, chegando mais perto da meta. Basta desistirmos de olhar para trás, carregando a culpa que nos amordaça o riso. Basta querer!

É preciso muita vontade para assimilarmos que afinal sermos felizes passa pelo que somos e NUNCA pelo que temos, mas é possível. É só preciso parar e escutar os silêncios que falarão bem mais alto. É preciso começar já!

7.11.19

Segura a vida nas tuas mãos!

i want to learn to suuuuuuuurf! maybe in portugal a bit ? :)


O teu coração, a tua vida e a tua felicidade, são da tua responsabilidade!
Foi o que acabei de ver num video com o actor Will Smith. E é um facto que apenas a nós cabe a cura das dores auto-infligidas, o corrigir de acções negativas e a busca pela felicidade e quanto mais cedo o entendermos, menos acabaremos a sofrer.

Apontar dedos é TÃO mais fácil, mas não produz efeitos práticos, porque nada alguma vez será corrigido pelos outros, não no que nos toca a nós e à nossa direcção. Deixámos de ser crianças e de poder gritar pelos papás de cada vez que formos injustiçados ou impossibilitados de progredir. Já ninguém se importa com as lamúrias e os choros, mesmos que compulsivos. O caminho faz-se caminhando, mesmo que sob pedras. assim sendo temos que parar de usar desculpas e de olhar para o lado errado da vida que nos pertence por direito.

Embora lá arregaçar as mangas, mesmo que esteja algo frio e cuidar de nos cuidarmos, hoje e até que o que quer que façamos surta mesmo efeito.

6.11.19

Sou assim agora...



Prometi-me, já há algum tempo, não passar pela vida sem a sentir verdadeiramente e tenho cumprido. Uso bem mais a contemplação e demoro-me nos lugares que me dão prazer e carregam paz (será este o sinal claro de velhice anunciada?). 

Cuidar-me emocionalmente passou a ser feito com uma gestão apertada, porque só me cabe a mim repor energias ou impedir que me fujam em demasia. Prometi-me sossegar pensamentos e não querer controlar tudo, primeiro porque não consigo, não carrego esse poder e depois porque apenas serviria para me esgotar. Ainda padeço de algumas dores, sobretudo das de mãe, é que já não me cabe regular o mundo e manter a prole segura, agora estão "lá", onde não chego e acabam sempre por decidir sozinhos. Também aqui me prometi desapego, entendendo que lhes forneci as ferramentas que vão usar e que tenho que confiar que o farão de forma acertada. Não sou demasiado ansiosa, mas de alguma forma sinto que me tornei uma grande actriz, mostrando uma segurança e ligeireza que não possuo, mas que sei serem absolutamente necessárias, porque é a mim que recorrem até para as coisas pequenas, mas grandes e às quais trato de tratar com as certezas que nem sempre tenho. 

Prometi-me não esperar demasiado e acreditem que tem resultado, o que quer que chegue vai seguramente ser devidamente apreciado.

5.11.19

Como é que agora vivo sem ti?

Heavy The Head


Como é que agora vivo sem ti?

Nunca pensei demasiado sobre como seria a minha vida sem ti, não era opção, como não foi enquanto te esforçaste por estar aqui. Nunca me foquei no que representaria ter momentos sem os teus sons, os beijos que me acordavam dos sonhos onde sempre estiveste, os abraços sempre que me sentia frágil e as palavras que as minhas procuravam para se juntarem e fazerem sentido.

Como é que agora vivo sem ti?

Fui sobrevivendo até me reerguer. Fui reaprendendo a gerir espaços mais abertos e silêncios. Fui olhando mais para mim até deixar de te ver. Fui aceitando, devagarinho, que apenas vieras por um período e que terias que regressar.

Como é que agora vivo sem ti?

Sem qualquer mágoa nem arrependimentos. Sem olhar para o que deixei de fazer, enquanto achava que ainda teria tempo. Sem me sentir perdida e perdendo-me inteiramente no meu tempo.

Agora vivo e respiro sem ti e sem medos, porque na verdade amei como era suposto e tive o que me cabia. Agora vivo muito mais leve, mesmo que não saiba se alguma vez voltarei a saber o sabor de um amor tão grande quanto foi o nosso. Agora vivo mesmo, cuidando de cuidar de mim em todas as vertentes. Agora vivo a recordar o que tive e foi verdadeiramente bom. Agora vivo com a certeza de que merecia amar alguém como tu. Agora regressei a mim!

2.11.19

Quem entende o blá, blá, blá masculino?

Curtain Round Glasses Frame Woman Retro Myopia Optical Frames Metal Cl – FuzWeb #beautywomen



Blá blá blá masculino! Que língua falam afinal e como podemos interpretar os seus esgares que mais se assemelham a códigos morse?Já estive mais longe de compilar um manual com palavras-chave, com legendagem, mas a porra é que para isso também eu precisava de os perceber.

- Mas afinal és um homem ou um rato?

MEDO? Isso é o quê, alguma coisa que se coma? Medo da sombra, medo do amor, medo das mulheres, medo de não pertencer ao clube que vencerá o campeonato, medo de ter medo... IRRA!

Estaremos irremediavelmente perdidas, se não os descodificamos. O resultado será um fim penoso, mas pronto, o efeito também será idêntico ao da injecção de penicilina, dói que se farta, mas protege durante uma década. Do mal o menos!

Sou mãe de três "homens" e acreditem que vou percebendo que nem a eles percebo, mesmo que ache que os conheço melhor do que qualquer outra pessoa. Também eles têm medo dos compromissos. De serem magoados e usados e também eles parecem não possuir defesas para o desamor, para as mulheres mais aguerridas e para a força de que agora são feitas. Quando ouço o blá blá blá deles, fico verdadeiramente assustada. Primeiro porque gostava de os ver usufruir das sensações, únicas, que os amores passam, mesmo que passem eles, os amores, à velocidade a que chegam. Segundo porque apenas a prática faz a perfeição, e se não tiverem forma de ir entrando, com ambos os pés, no mundo das emoções, nunca conseguirão a força de que vão, definitivamente, precisar no futuro.

Quanto a mim, a mãe, o assunto é menos grave, porque já amei. Porque acredito que já fui amada e já entrei de cabeça, corpo e alma no único mundo onde vale a pena viver. Se tiver que acabar sendo apenas eu, garanto-vos que não vou precisar da tal injecção de penicilina, porque criei discurso, articulado o bastante, para sobreviver a esta selva. Eu sei que me safo, mas também sei que nunca irei entender quem não se entende e que nunca saberei o que esperar de quem não espera por nada.

Este é o nosso novo mundo e há que saber viver nele. Boa sorte a todos envolvidos!

Feel Me © . Design by Berenica Designs.